A mancha-alvo (Corynespora cassiicola) é uma das principais doenças fungicas que incidem sobre a cultura da soja, segundo Godoy et al. (2020), em cultivares suscetíveis os danos ocasionados pela doença podem representar perdas de produtividade de até 40%.

Ainda que boas práticas de manejo sejam realizadas no cultivo da soja, o uso de fungicidas é o método mais empregado para controle de doenças em soja. Entretanto, e persistente utilização de produtos de mesmo mecanismo de ação pode resultar no desenvolvimento da resistência de doenças a fungicidas.

Sendo, assim, deve-se buscar alternativas para o manejo eficiente de doenças como a mancha-alvo, sendo uma delas, o uso de fungicidas protetores. Conforme o levantamento realizado pela Spark, o uso de fungicidas protetores vem aumentando nas últimas safras, sendo que na safra anterior, os protetores foram utilizados ao menos em uma aplicação em aproximadamente 70% da área nacional cultivada com soja.

Figura 1. Evolução do uso de fungicidas protetores em áreas destinadas ao cultivo de soja.

Fonte: Spark.

Segundo Ribeiro et al. (2016), a utilização de fungicidas protetores pode ser uma alternativa estratégica no manejo da resistência á fungicidas. A associação de fungicidas contendo fungicidas protetores pode ser uma interessante ferramenta no manjo fitossanitário da soja, principalmente quando utilizado de forma preventiva.



Avaliando “fungicidas protetores e sistêmicos no controle da mancha-alvo, Souza & Vidal (2018), observaram bons resultados de controle em aplicações em conjunto de fungicidas protetores e sistêmicos. Confira abaixo os tratamentos avaliados por Souza & Vidal (2018).

Tabela 1. Tratamentos e doses testadas no experimento para controle da mancha alvo da soja em casa de vegetação.

Fonte: Souza & Vidal (2018).

Conforme resultados obtidos pelos autores, na primeira avaliação, apenas os tratamentos Azoxistrobina + Ciproconazol e Oxicloreto de cobre SC + Azoxistrobina + Ciproconazole diferiram dos demais tratamentos, suprimindo a doença, enquanto os demais tratamentos mostraram valores intermediários entre estes e a testemunha. Já na segunda avaliação, apenas a combinação de Azoxistrobina + Ciproconazol com o fungicida protetor Oxicloreto de cobre SC manteve esta diferença dos demais tratamentos (Souza & Vidal, 2018). Os autores destacam que os fungicidas protetores foram aplicados em estádio V4 conforme a escala de Fehr & Caviness (1977).

Souza & Vidal (2018) chamam atenção para o tratamento contendo Oxicloreto de cobre SC e Azoxistrobina + Ciproconazole, o qual segundo eles foi o que apresentou menor Área Abaixo da Curva de Progresso da Doença (AACPD) e menor severidade da doença aos 35 dias após o aparecimento dos sintomas.

Figura 2. Médias da Área Abaixo da Curva de Progresso da Doença (AACPD) nos diferentes tratamentos. Jaboticabal, SP, 2015.

Occ – Oxicloreto de cobre; Trifloxis + Proti – Trifloxistrobina + Protioconazol; Azoxis + Cipro – Azoxistrobina + Ciproconazole; Fluxa + Pira – Fluxapiroxade + Piraclostrobina.
Fonte: Souza & Vidal (2018).

O resultado encontrado por Souza & Vidal (2018) destaca a importante contribuição dos fungicidas protetores no manejo e controle de mancha-alvo, enfatizando o excelente papel que esses fungicidas desempenham quando em combinação com fungicidas sistêmicos. Além disso, o uso de fungicidas protetores é uma ferramenta fundamental no mano da resistência a fungicidas, não só da mancha-alvo, como de outras doenças fungicas, tais como a ferrugem-asiática da soja (Phakopsora pachyrhizi).

Confira o trabalho completo de Souza & Vidal (2018) clicando aqui!


Veja também: Eficiência de fungicidas multissítios no controle da ferrugem-asiática da soja, Phakopsora pachyrhizi, na safra 2019/2020 – resultados sumarizados dos experimentos cooperativos.


Referências:

GODOY, C. V. et al. EFICIÊNCIA DE FUNGICIDAS PARA O CONTROLE DA MANCHA-ALVO, Corynespora cassiicola, NA CULTURA DA SOJA, NA SAFRA 2019/2020: RESULTADOS SUMARIZADOS DOS ENSAIOS COOPERATIVOS. Embrapa, Circular Técnica, n. 159, 2020. Disponível em: < https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/1123555/eficiencia-de-fungicidas-para-o-controle-da-mancha-alvo-corynespora-cassiicola-na-cultura-da-soja-na-safra-20192020-resultados-sumarizados-dos-ensaios-cooperativos >, acesso em: 01/12/2020.

RIBEIRO, F. C. et al. ASSOCIAÇÃO DE FUNGICIDA PROTETOR COM FUNGICIDAS SISTÊMICOS NO CONTROLE DE MANCHA-ALVO NA CULTURA DA SOJA.  Revista Verde, v. 11, n.5, p.51-56, Edição especial, 2016. Disponível em: < https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/RVADS/article/view/4273/4054 >, acesso em: 01/12/2020.

SOUZA, M. B.; VIDAL, R. L.  FUNGICIDAS PROTETORES E SISTÊMICOS NO CONTROLE DE Corynespora cassiicola EM SOJA. Revista de Agricultura Neotropical, Cassilândia-MS, v. 5, n. 3, p.66-70, 2018. Disponível em: < https://periodicosonline.uems.br/index.php/agrineo/article/view/2032/2337 >, acesso em: 01/12/2020.

Acompanhe nosso site, siga nossas mídias sociais (SiteFacebookInstagramLinkedinCanal no YouTube

 

 

 

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.