Um dos principais processor da produção agrícola é a semeadura de uma lavoura, sendo fundamental uma semeadura bem sucedida para um bom estabelecimento do estande de plantas. Dentre os cuidados necessário para uma boa semeadura, a regulagem das máquinas, a entrada em umidade de solo adequada e a velocidade de execução do processo de semeadura são fundamentais para garantir melhores condições para o estabelecimento do estande de plantas.

Veja também: O que é qualidade de sementes e por que ela é tão importante? 

Mas como a velocidade de semeadura pode interferir na plantabilidade da minha lavoura?

Atualmente, várias são as opções de mecanismos de funcionamento de semeadoras e distribuição de sementes, contudo, normalmente esses mecanismos são projetados para desempenhar uma semeadura eficientes em uma faixa de velocidade específica.

Segundo COSTA et al. (2018), a semeadura em velocidades inadequadas pode resultar em uma redução de espaçamentos aceitáveis entre sementes, além de proporcionar aumento dos espaçamentos duplos e falhos implicando em maior desuniformidade de distribuição de sementes. Conforme destacado pelos autores, as porcentagens de espaçamentos aceitáveis, duplos e falhas determinam o índice de plantabilidade.

JASPER et al. (2011) destacam que a má distribuição das sementes implica em inadequado aproveitamento de recursos como água, radiação solar e nutrientes por parte das plantas.

Avaliando a influência da velocidade de semeadura da soja, JASPER et al.(2011), observaram o comportamento de dois diferentes mecanismos dosadores de sementes, um de discos alvéolados horizontal e outro pneumático, ambos submetidos a diferentes velocidades de semeadura 4, 6, 8, 10 e 12km.h-1. Para ambos os mecanismos dosadores de sementes, os autores encontraram resultados que demonstram o aumento da porcentagens de espaçamentos duplos (múltiplos) e uma redução dos espaçamentos aceitáveis com o aumento da velocidade de semeadura (figuras 1 e 2).

Figura 1. Relação entre a porcentagem de espaçamentos múltiplos e a velocidade de semeadura para mecanismos dosadores de sementes de disco alveolados (perfurado) horizontal e pneumático.

Fonte: JASPER et al. (2011).

Figura 2. Relação entre a porcentagem de espaçamentos aceitáveis e a velocidade de semeadura para mecanismos dosadores de sementes perfurado horizontal e pneumático.

JASPER et al. (2011).

Um acentuado incremento na porcentagens de espaçamentos duplos e redução na porcentagem de espaçamentos aceitáveis decorrentes do aumento da velocidade de semeadura também foi observado por COSTA et al. (2018) onde o autor avaliou a influência da velocidade de semeadura, só que para a cultura do milho. Os resultados obtidos pelos autores para a cultura do milho são ainda mais expressivos do que os resultados encontrados por JASPER et al. (2011) para a cultura da soja, enfatizando a importância da adequada velocidade de semeadura para uma boa distribuição de sementes.

Figura 3. Relação entre a porcentagem de espaçamentos duplos e a velocidade de semeadura para a cultura do milho semeada utilizando um mecanismo de distribuição de sementes mecânico de discos perfurados horizontal.

Fonte: COSTA et al. (2018).

Além da interferência na distribuição de sementes, a velocidade de semeadura pode interferir em componentes de produtividade de soja e consequentemente na produtividade da cultura. Avaliando a influência da velocidade de semeadura em diferentes sistemas de manejo, CHAVES (2015) observou que para ambos os sistemas de cultivo avaliados, sendo eles plantio direto (PD), plantio direto escarificado (PDE) e plantio direto escarificado cruzado (PDEC), maiores valores de número de vagens por planta foram observados quando a semeadura ocorreu na velocidade de 5,5 km.h-1, assim como para maiores valores de produtividade.

Figura 4. Número de vagens por planta em função de diferentes velocidade de semeadura da soja.

Adaptado: CHAVES (2015).

Para ambos os sistemas de cultivo avaliados por CHAVES (2015), velocidades de semeadura superiores a 6 km.h-1 representaram diminuição do componente de produtividade número de vagens por planta e com isso consequentemente a produtividade da cultura.

Figura 5. Produtividade de soja em função de diferentes velocidade de semeadura.

CHAVES (2015).

Redução em outro componente de produtividade em função da velocidade de semeadura também foi observado por TIESEN et al. (2016), desta vez o componente afetado foi a massa de mil grãos (figura 5), consequentemente impactando negativamente a produtividade de soja.



Figura 6. Massa de mil grãos de soja (g) em função da velocidade de semeadura (km.h-1).

Fonte: TIESEN et al. (2016).

Além da interferência nos componentes de produtividade e consequentemente na produtividade da soja, GAZEL et al. (2017) avaliando a influência de velocidade de semeadura em soja encontraram resultados que demonstra uma maior mobilização de solo quando utilizadas velocidades de semeadura superiores a 6 km.h-1, fato que diminuir a eficiência de cobertura do sulco de semeadura e consequentemente interferir na germinação e uniformidade do estande de plantas.

Referências:

CHAVES, R. G. SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO E VELOCIDADE DE SEMEADURA DA SOJA. UFGD, Tese de Doutorado, 2015.

COSTA, R. D. et al. INFLUÊNCIA DA VELOCIDADE DE SEMEADURA NO COEFICIENTE DE VARIAÇÃO E NO ESTABELECIMENTO DO MILHO. Anuário Pesquisa e Extensão UNOESC, São Miguel do Oeste, 2018.

GAZEL, K, L. et al. REGULARIDADE DE DISTRIBUIÇÃO EM DIFERENTES VELOCIDADES DE SEMEADURA DE SOJA EM SISTEMA PLANTIO DIRETO. Congresso Técnico Científico da Engenharia e da Agronomia, ago. 2017.

JASPER, R. et al. VELOCIDADE DE SEMEADURA DA SOJA. Eng. Agríc., Jaboticabal, v.31, n.1, p.102-110, 2011.

TIESEN, C. M. A. et al. INFLUÊNCIA DA VELOCIDADE DE SEMEADURA NO CULTIVO DE SOJA. Scientific Eletronic Archives, nov. 2016.

Acompanhe nosso site, siga nossas mídias sociais (SiteFacebookInstagramLinkedin

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.