Pesquisa realizada pela Supra Pesquisa. Sabia que a Supra esta com site novo? Clique aqui e confira.

Trabalho elaborado pelos doutorandos Juliano Bortoluzi Lorenzeti e Maikon Tiago Yamada Danilussi, juntamente com os Professores Alfredo Junior P. Albrecht e Leandro P. Albrecht 

O capim-amargoso (Digitaria insularis) teve o primeiro caso relatado de resistência ao herbicida glifosato em 2008, a partir de então essa planta daninha passou a ter maior destaque nos cultivos agrícolas, principalmente na soja que é a cultura de maior expressividade agrícola no Brasil.

A soja deixa de expressar seu potencial produtivo em detrimento de vários fatores, um destes é a interferência de plantas daninhas. O manejo de capim-amargoso ocorre principalmente na dessecação pré-semeadura e o manejo incorreto pode acarretar a presença de plantas entouceiradas na lavoura, dificultando seu controle e potencializando os danos na soja.


Se Liga. Na Quarta feira tem Live com a Equipe da Supra Pesquisas. Acompanhe em nosso Facebook.


Com o objetivo de determinar a perda de produtividade ocasionada pela interferência de capim-amargoso na soja, conduziram-se dois experimentos na safa 2016/17. Estes ensaios ocorreram em áreas comerciais no município de Palotina-PR. Utilizaram-se oito tratamentos referentes à densidade populacional de capim-amargoso (0, 1, 2, 4 e 8 plantas.m-2) com quatro repetições, em que as plantas do capim amargoso estavam entouceiradas e começando a rebrotar no momento da semeadura da soja.

Leia Mais: E buva? Qual perda em função de diferentes densidades? Clique e Confira…

As produtividades médias obtidas a campo e as perdas geradas pela presença de plantas de capim-amargoso estão presentes na Figura 1. As produtividade de soja foram de 4341 kg.ha-1, 3427 kg.ha-1, 3023,5 kg.ha-1, 2454,5 kg.ha-1 e 1755 kg.ha-1, na presença de 0, 1, 2, 4 e 8 plantas.m-2 de capim amargoso.

A produtividade de soja no tratamento que se desenvolveu sem a interferência de capim-amargoso alcançou 4341 kg.ha-1 , equivalente a 72,35 sc.ha-1. Com a presença de apenas 1 planta m-2 de capim-amargoso a produtividade da soja foi reduzida em 21%, perda de 15,2 sc.ha-1. No tratamento em que a soja sofreu interferência de 2 plantas.m-2 houve redução da produtividade de 30% em relação a testemunha, 21,9 sc.ha-1 inferior. Para a penúltima população de capim-amargoso, 4 plantas.m-2, a soja perdeu 43% de sua produtividade, equivalente a 31,4 sc.ha-1 de redução. Na maior densidade populacional, de 8 plantas.m-2, de capim-amargoso, a interferência dessa planta daninha diminuiu a produtividade da soja em 59%, total de 43 sc.ha-1 ou 2586 kg.ha-1 de redução da produtividade.

            Diante do cenário de resistência do capim-amargoso ao herbicida glifosato que causou acréscimo do custo de controle por necessidade de usar graminicidas para seu controle, estas informações servem para auxiliar os agricultores e demais profissionais do campo, quanto às tomadas de decisões em relação ao custo benefício do uso de herbicidas.


Inscreva-se agora no canal dos Professores Alfredo & Leandro Albrechtaqui.


Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.