Com uma crescente participação em áreas produtoras de grãos, as plantas do gênero Amaranthus, popularmente conhecidas como caruru, vêm se destacando pela elevada habilidade competitiva, rápidos crescimento e desenvolvimento, além da grande capacidade de infestação.

Dependendo da espécie de caruru, perdas de produtividade superiores a 91% em milho, 79% na soja e 77% em algodão podem ser observadas em decorrência da matocompetição do caruru com essas culturas (Gazziero & Silva, 2017). Além disso, as espécies de caruru são conhecidas por apresentarem uma grande capacidade de produzir sementes, o que facilita a dispersão e propagação de populações do caruru.

Segundo Penckowski et al. (2020) a produção de sementes por planta pode chegar a 600.000 no caso da espécie Amaranthus hybridus, entretanto, conforme destacado por Gazziero & Silva (2017), existem relatos de produção de até 1.000.000 de sementes por planta, no caso do Amaranthus palmeri.

As sementes do caruru são dispersas principalmente por máquinas e equipamentos agrícolas, e são consideradas fotoblásticas positivas, ou seja, apresentar certa dependência da luz para germinar. Sendo assim, uma das estratégias de manejo e controle do caruru se baseia principalmente na boa cobertura do solo, com culturas de cobertura ou abundante palhada residual de culturas agrícolas.



A boa cobertura do solo restringe a passagem de luz, limitando a germinação das sementes contidas no banco de sementes do solo, reduzindo significativamente os fluxos de emergência do caruru. Outra estratégia para reduzir a emergência do caruru e melhorar o controle dessa planta daninha é o emprego de herbicidas pré-emergentes. Esses herbicidas normalmente são aplicados antes da semeadura ou logo após, e atuam diretamente no banco de sementes dos solos, inibindo a germinação dessas sementes.

Além disso, o uso de herbicidas pré-emergentes para controle do caruru possibilita a maior uniformidade dos fluxos de emergência das plantas não controladas, possibilitando maior uniformidade de plantas e contribuindo para a melhor assertividade do momento de aplicação de herbicidas em pós-emergência.


Veja mais: Controle de caruru (Amaranthus hybridus) com o uso de herbicidas pré-emergentes na cultura da soja (Glycine max L.)


De modo geral, aconselha-se que o controle pós-emergente do caruru seja realizado em plantas ainda no estádio inicial do desenvolvimento, preferencialmente quando a planta apresenta de duas a três folhas.

Figura 1. Estádio limite do desenvolvimento do caruru para o controle pós-emergente dessa planta daninha.

Cabe destacar que segundo Heap (2022), há relatos de casos de resistência de populações de caruru a herbicidas, sendo necessário atentar para a identificação da espécie e mecanismos de ação de herbicidas (figura 2). Entretanto, quando integradas medidas de manejo que contemplem a boa cobertura do solo, a limpeza de máquinas e colhedoras agrícolas, assim como o uso de herbicidas pré-emergentes e o adequado controle pós-emergentes do caruru, é possível reduzir as infestações dessa planta daninha. Contudo, deve-se atentar para principalmente para os primeiros casos de ocorrência da daninha, uma vez que as populações são melhor controladas no início das infestações, logo, o monitoramento das áreas de cultivo é indispensável.

Figura 2. Casos de resistência de espécies de caruru a herbicidas no Brasil.

Fonte: Heap (2022)

Referências:

GAZZIERO, D. L. P.; SILVA, A. F. CARACTERIZAÇÃO E MANEJO DE Amaranthus palmeri. Embrapa, Documentos, n. 384, 2017. Disponível em: < https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/159778/1/Doc-384-OL.pdf >, acesso em: 27/01/2022.

HEAP, I. O BANCO DE DADOS INTERNACIONAL DE ERVAS DANINHAS RESISTENTES A HERBICIDAS, 2022. Disponível em: < https://www.weedscience.org/Pages/Species.aspx >, acesso em: 05/05/2022.

PENCKOWSKI. L. H. et al. ALERTA! CRESCE O NÚMERO DE LAVOURAS COM Amaranthus hybridus RESISTENTE AO HERBICIDA GLIFOSATO NO SUL DO BRASIL: O PRIMEIRO PASSO É SABER IDENTIFICAR ESSA ESPÉCIE! Revista FABC – Abril/Maio 2020. Disponível em: < https://www.upherb.com.br/ebook/REVISTA-Fabc.pdf >, a cesso em: 05/05/2022.

Acompanhe nosso site, siga nossas mídias sociais (SiteFacebookInstagramLinkedinCanal no YouTube)

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.