O mercado brasileiro de milho deve fechar a semana com negociação lenta e preços estáveis no Brasil. O dólar sobe frente ao real, mas o ritmo de comercialização deve seguir fraco, com os agentes bem posicionados de estoques.

No cenário internacional a Bolsa de Chicago opera em queda, ainda refletindo os dados do relatório do USDA.

Ontem (10), o mercado brasileiro de milho teve uma quinta-feira de preços estáveis nas principais regiões. E o dia foi calmo na comercialização de maneira geral, como indica o consultor de SAFRAS & Mercado, Paulo Molinari.

No Porto de Santos, o preço ficou em R$ 69,00/75,00 a saca. No Porto de Paranaguá (PR), preço em R$ 69,00/73,00 a saca.

No Paraná, a cotação ficou em R$ 68,00/71,00 a saca em Cascavel. Em São Paulo, preço de R$ 70,00/72,00 na Mogiana. Em Campinas CIF, preço de R$ 74,00/75,00 a saca.

No Rio Grande do Sul, preço ficou em R$ 82,00/85,00 a saca em Erechim. Em Minas Gerais, preço em R$ 66,00/69,00 a saca em Uberlândia. Em Goiás, preço esteve em R$ 67,00 – R$ 70,00 a saca em Rio Verde – CIF. No Mato Grosso, preço ficou a R$ 64,00/67,00 a saca em Rondonópolis.

Chicago 

Os contratos com vencimento em março operam a US$ 4,19 1/4 por bushel, com baixa de 2,00 centavos de dólar, ou 0,47%, na comparação com o fechamento anterior.

O mercado mantém o tom negativo da quinta-feira, quando foi pressionado pelo relatório de oferta e demanda de dezembro de Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), que apontou estoques finais de passagem para a safra 2020/21 do país em 1,702 bilhão de bushels, sem alterações frente ao mês passado, enquanto o mercado esperava um número de 1,697 bilhão de bushels.

Para a safra global 2019/20, os estoques finais foram projetados em 303,42 milhões de toneladas, contra as 303,33 milhões de toneladas apontadas no mês passado, enquanto mercado apostava em um número de 302,7 milhões de toneladas.

Ontem (10), os contratos de milho com entrega em março fecharam a US$ 4,21 1/4, com baixa de 2,50 centavos, ou 0,58%, em relação ao fechamento anterior.

Câmbio 

O dólar comercial registra valorização de 0,41% a R$ 5,062.

Indicadores financeiros 

  • As principais bolsas da Ásia encerraram em baixa. Xangai, -0,77%. Tóquio, -0,39%.
  • As principais bolsas na Europa operam em baixa. Paris, -1,10%; e Londres, -1,01%.
  • O petróleo opera com perdas. Janeiro do WTI em NY: US$ 46,77 o barril (-0,02%).
  • O Dollar Index registra alta de 0,17%, a 90,98 pontos.

Fonte: Agência SAFRAS

Texto originalmente publicado em:
Safras e Mercados
Autor: Arno Baasch - Agência SAFRAS

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.