InícioDestaqueNabos resistentes na Argentina

Nabos resistentes na Argentina

A pesquisa realizada pelo REM em 2019 revelou que a superfície na Argentina afetada por nabos resistentes atinge mais de 1 milhão de hectares. Esta família de plantas daninhas possui 5 espécies que têm resistência a um, dois ou até três herbicidas de diferentes modos de ação, e a maioria está concentrada na província de Buenos Aires.

Nesse contexto, em 18 de outubro, o REM liderou um dia com a Three Streams Regional com o objetivo de abordar a questão.

O debate iniciou abordando o porque essas ervas daninhas podem ou não viver na mesma área, o monitoramento e diagnóstico corretos de cada caso são essenciais. O bom reconhecimento é o primeiro passo nesse caminho e é por isso que o evento contou com o especialista Ramón Gigón, que forneceu todas as informações sobre o assunto.

No estado de plântulas, o Raphanus sativus (nabo) se distingue por seus cotilédones cordiformes (em forma de coração) e maiores que os do restante dos crucíferos. Ele também tem uma cor de folhagem verde violeta.

No estado adulto, o nabo pode ser facilmente distinguido de Brassica rapa (nabo) e Hirscfeldia incana (nabillo) pela cor de sua flor. Enquanto o nabo tem flor violeta, o nabillo têm flor amarela. Para distinguir esses dois últimos, deve-se levar em consideração que o nabo não possui pilosidade e textura de couro, enquanto o nabillo é muito peludo com uma textura mais macia.

Todas as espécies se adaptam muito bem ao frio, então competem muito bem com as culturas de inverno e colonizam o lote rapidamente. Os fluxos de emergência estão concentrados no outono-inverno, embora com umidade adequada possam se estender até a primavera e o verão, quando competem com as culturas de verão. Além disso, o Raphanus sativus e o Hirschfeldia incana podem se comportar semestralmente, reaparecendo no segundo ou mesmo no terceiro ano. Isso pode causar manchas difíceis de erradicar.



Durante a visita de campo, foram revisadas alternativas de controle químico para três situações: resíduos para pousio longo das culturas de verão, pós-emergente seletivo no cultivo de trigo e pós-emergente para pousio tardio.

No grupo de tratamentos residuais para pousios químicos longos, o desempenho de alguns ativos foi influenciado pela baixa umidade. Enquanto a falta de chuvas favoreceu a retenção de metribuzina (FSII) e flumioxazina (PPO) em restolho e afetou negativamente seu controle, a atrazina (FSII) atuou a favor, aumentando a residualidade do produto e elevando o nível de controle.

Em um segundo curso de tratamentos, procuramos simular uma aplicação de agentes pós-emergentes no trigo em rosetas entre 5 e 8 cm. Embora a falta de água tenha dificultado novamente a penetração dos produtos, os melhores controles foram obtidos com os ativos do grupo de Inibidores do Fotossistema II (metribuzina e bentazão) misturados com Auxinicos (2,4D e 2,4DB).

Também mostrou o sinergismo que ocorre quando alguns ativos são misturados, aumentando o controle alcançado. Para aplicações nesta fase, a competição oferecida pelo cultivo em pé facilita o controle.

O grupo de tratamentos pós-emergentes para pousios tardios foi aplicado com uma grande porcentagem de plantas com flores, comumente chamada de resgate. A mistura de Glufosinato + 2,4D foi a mais controle, seguida pela de Glifosato + 2,4D, com e sem carfentrazona.

Nas aplicações 2.4D, não houve controle, evidenciando a resistência da população. Enquanto a adição de Paraquat à mistura aumentou o controle, os melhores valores foram alcançados com a adição de adjuvante de qualidade. Este último favoreceu a penetração do ativo nas plantas, que além de possuir uma superfície serosa que dificulta a entrada do produto, apresentaram alto estresse hídrico.



Em geral, a porcentagem de controle por tratamento químico foi indiretamente proporcional ao tamanho da erva. Por esse motivo, os controles iniciais são importantes e, dessa forma, o uso de resíduos é uma ferramenta fundamental. Outro aspecto que o estudo revelou foi a importância da boa qualidade de aplicação, para a qual os adjuvantes são muito úteis, principalmente em situações de estresse hídrico.

Fonte: Adaptado de Aapresid
Equipe Mais Soja
Equipe Mais Soja
A equipe editorial do portal Mais Soja é formada por profissionais do Agronegócio que se dedicam diariamente a buscar as melhores informações e em gerar conteúdo técnico profissional de qualidade.
Artigos relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Populares