Os nematoides são pragas que podem permanecer tanto nas raízes das plantas como no solo. Contudo, as maiores concentrações são vistas nas raízes, onde causam elevados prejuízos nas plantas. Além disso, possuem a capacidade de interagir com outros organismos do solo e facilitar a entrada de patógenos nas estruturas das plantas.

O controle geralmente é realizado através da rotação de culturas, utilização de cultivares resistentes ou tolerantes e controle com tratamento nas sementes ou no sulco de semeadura, como carbamatos e organofosforados.

Hoje no texto veremos quais são as principais estratégias de controle para evitar os danos causados pelas pragas, como manejos culturais, químicos e genéticos.

Inicialmente, sugere-se monitoramento das lavouras, pois os nematoides vivem no solo, dificultando sua detecção. Recomenda-se verificar a parte aérea e as raízes das plantas. Especialmente para o nematoide do cisto da soja, onde os sintomas não são visíveis em locais com boa fertilidade do solo e distribuição de chuvas (Guarnieri, 2018).

Quais são as injúrias causadas nas plantas devido a presença do nematoide das galhas (Meloidogyne incognita) na soja?

• Manchas em reboleiras;
• Plantas pequenas;
• Sistema radicular reduzido;
• Folhas amareladas;
• Necroses entre as nervuras (folha carijó);
• Abortamento de vagens;
• Amadurecimento prematuro;
• Redução da produtividade.
Figura 1. Danos no sistema radicular (esquerda) pelo nematoide-das-galhas (M. incognita).

Foto: Ricardo Bemfica Steffen

Quais os motivos da dificuldade de controle sobre os nematoides?

  • Sobrevivência nos restos culturais de safras anteriores;
  • Dificuldade de atingi-los com produtos;
  • Visibilidade limitada;
  • Sintomas nas plantas podem ser confundidos com outras pragas.

Estratégias culturais: rotação e sucessão de culturas

Silva et al. (2018), em seu trabalho denominado “EFEITO DA ROTAÇÃO E SUCESSÃO DE CULTURAS NO MANEJO DE NEMATOIDES DA SOJA EM ÁREA ARENOSA”, observaram a quantidade de nematoides quando se realiza semeaduras direcionadas para o manejo dessas pragas.



Como observamos na Tabela 1, o monocultivo da soja com rotação do milho são os piores sistemas para reduzir a população de nematoides nas raízes das plantas.

Enquanto que a rotação de crotalárias causaram os controles mais eficientes das duas espécies em estudo: nematoide-das-lesões (Pratylenchus brachyurus) e nematoide-das-galhas (Meloidogyne javanica), bem como a quantidade de ovos.

Um metabólico secundário chamado monocrotalina presente nas crotalárias conferem a capacidade de impedir a multiplicação das pragas.

Tabela 1. Números médios de nematoides e ovos na raiz e no solo (200 cm³)

Fonte: Silva et al. (2018)

O nematoide-das-lesões é presente em diversas regiões brasileiras, especialmente no estado do Mato Grosso, com frequência de 96%.

Quando nos referimos à produtividade, o sistema em que se teve rotação de soja e crotalária, obteve-se as maiores produtividades. Onde temos este cenário, observamos produtividades duas a três vezes maior em relação à situações sem a crotalária como cultura antecessora, como visualizamos na Tabela 2.

Veja também: Uso de crotalária como alternativa no controle de nematoides

Tabela 2. Cultura antecessora (primavera/verão safra 2013/14), braquiária e milheto (outono/inverno) e soja (primavera/verão safra 2014/15).

Fonte: Silva et al. (2018)

Estratégias químicas

Guarnieri (2018), em seu trabalho intitulado “EFICÁCIA DE TIODICARBE, CADUSAFÓS E CONDICIONADOR DE SOLO VIA TRATAMENTO DE SEMENTES E/OU SULCO DE PLANTIO NO CONTROLE DE NEMATOIDES NA CULTURA DE SOJA”, verificou o controle químico em nematoides, como uma alternativa em áreas de grande ocorrência de M. incognita.

O tratamento de sementes utilizado de forma isolada não apresenta significativo controle no combate aos nematoides-das-galhas.

Como notamos na Tabela 3, utilizando tiodicarbe (metilcarbamato de oxima) no tratamento de sementes + cadusafós (organofosforado) e condicionador de solos (Maskio) no sulco de plantio, obteve-se os melhores resultados até próximo de 70 dias após a semeadura.

Os condicionadores apresentam a função de controlar os nematoides e favorecer o desenvolvimento de inimigos supressores das pragas, além de melhorar a estrutura do solo. A presença de aminoácidos em sua composição, eleva a população de organismos no solo.

Tabela 3. População total de nematoides (ovos + juvenis e adultos) nas raízes das plantas e eficácia de controle aos 41 e 70 DAS.

Fonte: Guarnieri (2018)

Quando analisamos a produtividade, utilizando inseticidas no tratamento de sementes + no sulco de plantio + condicionadores de solo, obtemos incremento de produtividade de 10 sc.ha-1 (Tabela 4). Em condições de elevada população das pragas, recomenda-se intervir com medidas protetivas, resultando em aumento da produtividade.

Tabela 4. Médias de massa de 100 grãos, produtividade e acréscimo em sacas/hectare em relação a testemunha.

Fonte: Guarnieri (2018)

Para o controle do nematoide-dos-cistos (Heterodera glycines), o tratamento de sementes com tiodicarbe acarreta em eficácia de 27%. A associação da mesma molécula no sulco de plantio, aumento a eficiência de controle para 75% (Guarnieri, 2018).

Apesar de ser eficiente no combate de nematoides e evitar perdas de produtividade, os produtos químicos devem ser estudados para não causar redução de tamanho e quantidade de nódulos das raízes.

De acordo com Rocha (2018) na Figura 2, visualizamos os tratamentos utilizados: Bradyrhizobium japonicum (T1); Bacillus licheniformis (T2); Trichoderma harzianum (T3); Trichoderma harzianum + Bacillus (T4) e Carbofurano (T5).

O carbofuran (pertencente ao grupo químico metilcarbamato de benzofuranila) era um dos produtos mais utilizados para controle de nematoides. Hoje, sua eficiência foi reduzida devido ao seu uso repetitivo e alta toxicidade. Como visualizamos na Figura 2, o uso de químicos no tratamento de sementes pode comprometer a capacidade da planta (T5), danificando os nódulos e reduzindo seu potencial de fixação biológica de nitrogênio.

Figura 2. Características dos nódulos após tratamento de biológicos e químicos.

Foto: Rocha (2018).

Além do mais, não confunda os nódulos das raízes com as galhas dos nematoides. Lembre-se que as galhas são um engrossamento da própria raiz, enquanto que os nódulos são externos e de coloração interior avermelhada/rosada.

Local de aplicação

Quando utilizado Bacillus spp., o tratamento de sementes é melhor para supressão do nematoide-das-galhas que a aplicação do biológico via sulco de semeadura (Nascimento, 2019).

Os manejos em conjunto das duas aplicações aumentam o efeito residual e combate às pragas, estendendo o período de proteção por mais tempo.

Controle genético: escolha da cultivar

Outra alternativa é a escolha certa de cultivares resistentes. Almeida et al. (2016), relataram que todas as cultivares estudadas foram infestadas, mas apresentaram resistência aos nematoides-das-galhas (Meloidogyne spp.).

P98Y70, 99R03 e FTS 4188 foram consideradas as mais eficientes para evitar elevadas infestações, como nematoides juvenis na raiz (JR), juvenis no solo (JS) e número de galhas por raiz (NGR), como segue na tabela a seguir.

M. javanica apresenta ocorrência generalizada. Enquanto M. incognita predomina em áreas cultivadas anteriormente com algodão ou café (Dias et al., 2010).

Tabela 5. Cultivares parasitadas com Meloidogyne incognita (esquerda) e Meloidogyne javanica (direita)

Fonte: Almeida et al. (2016)

Para visualizar a Tabela completa clique aqui.

Contudo, o controle do nematoide-dos-cistos com cultivares resistentes é limitado, devido a esta espécie apresentar grande variabilidade genética (Guarnieri, 2018). Por isso, apenas esta metodologia não é eficiente para suprimir as pragas.



Considerações finais

O controle de nematoides deve incluir uma série de estratégias que devem ser utilizadas em conjunto, como rotação e sucessão de culturas, uso de cultivares com grau de resistência, escolha de plantas não hospedeiras e controle químico e biológico.

A escolha de produtos pertencentes a grupos químicos de carbamatos e organofosforados são utilizados no manejo. Contudo, devido a sua toxidez, podem causar injúrias nas plantas. O uso de biológicos pode ser adotado, como Bradyrhizobium japonicum, Bacillus licheniformis e Trichoderma harzianum. A rotação de culturas inclui a crotalária. Ela possui em sua estrutura metabólicos secundários que impedem a reprodução das pragas, sendo considerada uma cultura não-hospedeira.

Os nematoides vivem no solo, dificultado sua visibilidade. Para o monitoramento, recomenda-se atentar para a região da parte aérea da planta + sistema radicular, pois são nestas estruturas que ocorrerão as principais injúrias. Cuide para não confundir a sua presença com outras pragas da soja e detectá-los no início da sua infestação.

Referências

ALMEIDA, Fernandes Antonio et al. Reação de cultivares de soja aos nematoides das galhas. Revista de Ciências Agrárias Amazonian Journal of Agricultural and Environmental Sciences, v. 59, n. 3, p. 228-234, 2016.

Dias, W.A; Garcia, A; Silva, J. F. V; Carneiro, G. E.S; Nematoides em soja: Identificação e controle; Circular Técnica: Londrina: Embrapa 2010.

GUARNIERI, Carlos Cesar de Oliveira. Eficácia de tiodicarbe, cadusafós e condicionador de solo via tratamento de sementes e/ou sulco de plantio no controle de nematoides na cultura de soja. 2018.

NASCIMENTO, Daniel Dalvan do. Promoção de crescimento e controle de nematoides da soja por isolados de Bacillus spp. 2019.

ROCHA, Hugo Leonardo da. ANÁLISE DE CONTROLE QUÍMICO E BIOLÓGICO EM NEMATOIDES NA SOJA. 2018.

SILVA, R. A. et al. Efeito da rotação e sucessão de culturas no manejo de nematoides da soja em área arenosa. Nematropica, v. 48, n. 2, p. 198-206, 2018.

Acompanhe nosso site, siga nossas mídias sociais (SiteFacebookInstagramLinkedinCanal no YouTube

Redação: Equipe Mais Soja.

 

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.