Diante dos elevados preços do milho no país e de um oferta mais baixa, a competitividade do cereal no mercado externo tem sido impactada. A StoneX revisou sua estimativa de exportação para 29 milhões de toneladas, contra 35 milhões de toneladas estimados anteriormente.

Em sua projeção de maio, o grupo constatou que, novamente, foi o número da 2ª safra que trouxe os maiores impactos para a estimativa de produção total em 2020/21. “A safra de inverno recebeu um corte de 5 milhões de toneladas, para 72,7 milhões, volume abaixo do observado na safra passada”, explica João Pedro Lopes, analista de inteligência de mercado.

A contração resultou, principalmente, da expectativa de menor produtividade no Paraná e nos estados do Centro-Oeste, com destaque para o Mato Grosso, com um recuo de 1,2 milhão de toneladas. “O cenário para a região nas próximas semanas é desfavorável, visto que parte considerável da safra entrou recentemente na fase reprodutiva e a previsão é de pouquíssimas chuvas para a 1ª quinzena de maio”, avalia Lopes.

No Paraná, a redução da StoneX foi ainda mais expressiva, de 2,3 milhões de toneladas, motivada pelo clima seco durante o mês de abril. Em meio a esse quadro, a produção total 2020/21 foi reduzida para 100,25 milhões de toneladas, considerando o número da 3ª safra da Conab, em 1,84 milhão de toneladas.

Em relação à safra de milho verão 2020/21, a consultoria apresentou leve aumento em sua estimativa de produção, para 25,7 milhões de toneladas, volume 0,4% acima do trazido no último relatório.

Essa revisão foi motivada pelo avanço de 117,2 mil toneladas na produção baiana, para 1,9 milhão. O clima favorável ao desenvolvimento da cultura, principalmente no oeste, bem como o avanço dos trabalhos de colheita sem problemas climáticos, proporcionaram um melhor rendimento na Bahia. Além disso, a produção no estado foi beneficiada também por um aumento na área, tendo como motivador os fortes preços do cereal.

Dentre as principais regiões de milho verão, ainda será importante acompanhar as condições climáticas nos estados do MATOPIBA, que iniciaram a colheita recentemente e ainda podem apresentar maiores variações em seus rendimentos.

Apesar do corte de 4,8 milhões de toneladas na oferta total, os estoques finais foram revisados para 10,85 milhões, contra 9,7 milhões na última estimativa. “É importante ressaltar que o balanço de oferta e demanda para o milho brasileiro continua muito apertado, lembrando que a disponibilidade na primeira metade do ano depende da safra de verão, muito menor que a safrinha”, pondera o analista do grupo, João Pedro Lopes.

Sobre a StoneX

A StoneX é uma empresa global de serviços financeiros customizados fundada em 1924 nos Estados Unidos e presente nos cinco continentes e nas principais praças agrícolas brasileiras. A StoneX é especialista em desenhar estratégias de Hedge – proteção contra a oscilação de preços para garantir que a rentabilidade projetada através do negócio de nossos clientes não fique comprometida pela constante movimentação do mercado.

No Brasil desde 2005, estamos localizados em 14 escritórios: Campinas (SP), São Paulo (SP), Passo Fundo (RS), Maringá (PR), Sorriso (MT), Goiânia (GO), Recife (PE), Patrocínio (MG), Campo Grande (MS), Primavera do Leste (MT), Rio Verde (GO), Luís Eduardo Magalhães (BA), Campo Novo do Parecis (MT) e Varginha (MG).

Saiba mais em brasil.stonex.com

Fonte: Assessoria de imprensa StoneX

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.