Um dos princípios do sistema de cultivo denominado sistema plantio direto é que não haja revolvimento do solo. Com isso, práticas de manejo diferentes as utilizadas em cultivos convencionais tiveram que ser implantadas e praticadas para garantir a sustentabilidade e viabilidade do sistema.

Uma dessas práticas é a produção de biomassa para formação de matéria seca e cobertura do solo (palhada no solo).  Contudo, para que os benefícios trazidos pela cobertura do solo tais como a diminuição das erosões superficiais do solo, controle de plantas daninhas e incremento na fertilidade do solo (aumento da matéria orgânica do solo), passem a se tornar parte do sistema produtivo, é necessário que se planeje as rotações de cultura e o manejo dos cultivos agrícolas.

De que forma a escolha da rotação e a relação C/N podem interferir no sistema produtivo?

Na escolha da cultura empregada, deve-se atentar para algumas características visando manter a qualidade da cobertura do solo e benefícios trazidos por ela. Um dos cuidados essenciais é quanto a relação C/N das culturas. Segundo OLIVEITA et. al (2019) a relação C/N nada mais é do que a razão entre as quantidade de carbono (C) e nitrogênio (N) presente na biomassa da cultura. A relação C/N de uma cultura está diretamente relacionado com a sua decomposição e mineralização, sendo que culturas com alta relação C/N apresentam menores taxas de decomposição e seus resíduos permanecem por mais tempo no solo, por outro lado, culturas com baixa relação C/N, apresentam uma rápida decomposição, porém, uma alta mineralização se tornando fonte de nutrientes para o solo, em especial o nitrogênio orgânico.

Veja também: Solo compactado – Diagnostico, prevenção e manejo

A grosso modo, as gramíneas integram o grupo de culturas com alta reação C/N, tendo decomposição mais lenta e as leguminosas integram o grupo de culturas de baixa relação C/N, apresentando rápida decomposição e alta mineralização de nutrientes.

GIACOMINI et. al (2003) avaliando o acumulo de nutrientes em cultivo de plantas de cobertura isoladas e em consórcios, encontraram resultados que demonstram que uma das melhores condições de manejo benéfico para o sistema produtivo é o consorcio entre plantas de cobertura com alta e baixa relação C/N, de forma que a cobertura do solo perdure por mais tempo em virtude das plantas com alta relação C/N e a fertilidade do solo seja beneficiada pelas cultivo das plantas com baixa relação C/N. Os autores ainda destacam que para consórcios como a aveia preta e ervilhaca, além de produzir massa seca semelhante ao cultivo da aveia isolada, a ciclagem de nutrientes é favorecida pela utilização da ervilhaca.



Além disso, TORRES et. al (2005) demonstram que certas espécies apresentam maior capacidade em ciclar nutrientes, se tornando alternativas para uso em rotação de culturas e beneficiando a fertilidade do solo, aumentado a disponibilidade de nutrientes para as plantas e consequentemente sua melhor nutrição e produtividade.

Tabela 1. Produção de matéria seca, N acumulado e relação C/N das plantas de cobertura cultivadas no ano agrícola de 2001.

Adaptado: TORRES et. al (2005).

O ideal é que se busque plantas de cobertura que consigam terminar seu ciclo de cultivo no tempo disponível e com isso maximizar sua capacidade de ciclar nutrientes. Contudo, a escolha da cultura a ser utilizada em rotação aos cultivos principais deve levar em consideração além da capacidade em ciclar nutrientes, sua relação C/N, visto que é fundamental para a sustentabilidade do plantio direto que o solo permaneça coberto e a escolha inadequada da rotação de culturas pode implicar em períodos de solo descoberto, trazendo consequências indesejadas ao sistema de produção, tais como aumento da emergência de plantas daninhas, erosões superficiais entre outros.

Figura 1. Resíduos culturais, matéria seca cobrindo o solo.

Foto: Luiz Henrique Magnante.

Quer saber mais sobre solos? Confira o curso “Solos do perfil aos nutrientes” clicando aqui!!!

Referências:

 GIACOMINI, S. J. et. al. MATÉRIA SECA, RELAÇÃO C/N, FOSFORO E POTÁSSIO EM MISTRURAS DE PLANTAS DE COBERTURA DE SOLO. R. Bras. Ci. Solo, p.325-334, 2003.

OLIVEIRA, A. B. et al. COLEÇÃO 500 PERGUNTAS, 500 RESPOSTAS. Embrapa, Brasília, 274 p. 2019.

TORRES, J. L. R. et. al. DECOMPOSIÇÃO E LIBERAÇÃO DE NITROGÊNIO DE RESÍDUOS CULTURAIS DE PLANTAS DE COBERTURA EM UM SOLO DE CERRADO. R. Bras. Ci. Solo, p.609-618, 2005.

Redação: Maurício Siqueira dos Santos – Eng. Agrônomo.

1 COMMENT

  1. Interfere um pouco , depende a cultura que vai ser implantado na área sempre escolher uma cultura ideal que de uma boa palhada , que você vai ter uma boa fertilidade no solo , analisar a qualidade e a massa da cobertura e os benefícios que ela vai disponibilizar no solo.Um dos cuidados essenciais quanto a relação carbono/nitrogênio das culturas ,nada mais é do que a quantidade de carbono e nitrogênio presente na biomassa da cultura .A relação C/N de uma cultura está diretamente relacionado com a sua decomposição e mineralizacao sendo que culturas com alta relação C/N apresentam menores taxas de decomposição e seus resíduos permanecem por mais tempo no solo ,por outro lado ,culturas com baixa relação C/N ,apresentam uma rápida decomposição ,porém uma alta mineralizacao se tornando fonte de nutrientes para o solo em especial nitrogênio orgânico, as duas formas vam conter o mesmo resultado ,porém uma se decompõe antes da outra…

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.