O Sistema CNA e a Farsul levaram, na terça (2), um grupo de representantes de embaixadas até a região da campanha gaúcha, no extremo sul do país, para conhecer a Estância Santa Maria, em Bagé, propriedade que é referência na utilização de sistema integrado de lavoura de soja, arroz e pecuária de corte. A viagem faz parte do Programa de Intercâmbio AgroBrazil.

Com 12.317 hectares, a estância investe na tecnologia para a produção genética das raças britânicas Hereford e Braford. Na agricultura, a propriedade destina 3.420 hectares para soja e outros 500 hectares para a produção de arroz irrigado.

“Utilizamos variedades de soja que possuem tolerância a insetos e controle de ervas daninhas. A soja está muito mais adaptada para essa região porque investimos em tecnologia”, destaca o produtor Gedeão Avancini Pereira.

O produtor representa a terceira geração da família que se dedica à propriedade. A Estância possui mais de 70 anos de tradição na agropecuária gaúcha. “É muito gratificante receber os representantes das delegações estrangeiras para mostrar o potencial produtivo e mercadológico da nossa agropecuária. Produzimos tudo isso com muito amor e carinho com o intuito de fornecer alimentos para o nosso país que, a cada dia, está gerando mais demanda por produtos de qualidade”, disse.

Os diplomatas da Austrália, Burkina Faso, China, Chile, Egito, França, Irã, Japão e Cingapura percorreram a propriedade onde conheceram as lavouras de soja e arroz, além de observar o sistema de secagem para a armazenagem do arroz. A propriedade tem capacidade para armazenar 270 mil sacas de arroz e soja, o que corresponde a 13,5 mil toneladas.



O produtor explicou o ciclo do sistema produtivo para gerar eficiência e aumentar a produtividade. Em uma mesma área, há rotação de produção de arroz, soja e pecuária de corte quando a área está coberta com forrageira.

Os diplomatas também conheceram a área destinada à pesquisa genética do gado Hereford e observaram o funcionamento do sistema de irrigação da propriedade, que é 100% captado das águas da chuva.

Ao final da visita técnica à estância Santa Maria, os diplomatas ainda tiveram a oportunidade de acompanhar a colheita do arroz bem de perto, nas máquinas colheitadeiras.

Para o segundo secretário da embaixada do Irã, Mohsen Shahbazi, a missão AgroBrazil está possibilitando conhecer melhor o agronegócio brasileiro. “Nessa viagem eu aprendi que o Rio Grande do Sul tem produção de arroz com as mesmas características do produto uruguaio. Será uma boa oportunidade para transmitir essas informações para que as companhias iranianas que conheçam e estudem a possibilidade de realizar cooperações agrícolas, já que importamos o arroz do Uruguai”, destacou o diplomata.

O cônsul da embaixada do Egito, Omar Elrifai, disse que a missão ao Rio Grande do Sul está superando todas as expectativas. “Atualmente, o Egito compra carne, gado em pé, milho e arroz do Brasil. Essa missão está superando todas as expectativas porque estamos conhecendo e aprendendo muitos detalhes sobre a produção do Rio Grande do Sul”, afirmou o diplomata.

No final do dia, o grupo participou de um jantar oferecido pela Sociedade Rural de Bagé.

Desde segunda (1) o grupo está percorrendo o Estado para conhecer a infraestrutura, logística e agropecuária rio-grandense. Na quarta (3), a comitiva seguiu para o município de Dom Pedrito, no pampa gaúcho, onde visitou a Estância Guatambu. O local se destaca pela produção de uvas viníferas, pecuária de corte e cultivo de arroz e soja.

Fonte: CNA

Texto originalmente publicado em:
CNA
Autor: Assessoria de Comunicação CNA/SENAR

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.