InícioDestaqueSoja-BR: Dia de quedas gerais no Paraná, perdas de até 3,50%

Soja-BR: Dia de quedas gerais no Paraná, perdas de até 3,50%

RIO GRANDE DO SUL: Mais um dia de volatilidade, dólar sobe 0,99%

Devido a um fluxo melhor de entrada de soja do MS/MT no estado, fábricas no interior perdem um pouco de apetite, deixando mais espaço para o porto fazer negócios. Apesar dessa nova força, o panorama geral segue o mesmo, com produtor pedindo preços mais altos e comprador na defensiva.

PREÇOS DE PEDRA: permanece no mesmo nível visto anteriormente a R$ 197,00, valor mais alto visto até agora.

PREÇOS NO INTERIOR: No interior, para fábricas, baixas de R$ 4,00/saca para as regiões de Ijuí e Cruza Alta, levando ambos os preços novamente a R$ 204,00, passo fundo, de forma um pouco diferente, decaiu em R$ 3,00/saca e retornou abaixo das médias a R$ 203,00, Santa Rosa, por fim, contou com as quedas mais expressivas do dia, perdendo 2,42%, o equivalente a R$ 5,00/saca e retornando a R$ 202,00.

PREÇOS NO PORTO SPOT: para fábricas, R$ 211,00, queda considerável de R$ 3,50/saca fazendo um reajuste diante das altas esticadas de ontem.

  • PREÇOS NO PORTO FUTUROS: R$ 195,80 pagamento 29/04/22 com entrega em abril/22; R$ 199,50 pagamento 30/05/22 com entrega em maio/22; R$ 198,50 pagamento 30/06/22 com entrega em junho/22; R$ 202,00 pagamento 29/07/22 com entrega em julho/22

SANTA CATARINA: Preço permanece parado no porto de SC.

Embora o dólar continue seu movimento de subida, são continuados a criação de forças opositoras a estas altas, o produtor ainda segue com a mesma disposição de efetuar negócios, com alguns oferecendo vender volumes apenas se houver a disposição de pagar valores acima de R$ 210,00 pela saca. O comprador por outro lado, segue na defensiva e estuda as decisões mais plausíveis a se tomar enquanto chegam volumes de áreas mais baratas do país, ainda não há um problema de estoque nas indústrias da região.

PARANÁ: Dia de quedas gerais no Estado, perdas de até 3,50%

Após altas expressivas de ontem no mercado, houve um rebote geral, novamente com alta volatilidade os preços foram empurrados para baixo, o dólar seguiu subindo, mas soja e subprodutos foram fortemente impactados, isso ainda advém dos conflitos mundiais relacionados a Ucrânia. O fato é que traders esperavam que o escoamento pelo Mar Negro fosse fortemente comprometido, quando o que de fato ocorreu foi a indiferença na prática, além disso, não houve a exclusão da Rússia do comércio global e com a diminuição desse terror, houve o retorno da soja a margens padrões de clise climática.

PREÇOS NO INTERIOR: todos os preços no interior passaram por uma queda, com Ponta Grossa indo a R$ 193,00, marcando queda bastante expressiva de R$ 7,00/saca. Quanto as demais regiões, as baixas ficaram próximas a 1,5%, simbolizando R$ 3,00/saca de perda, essas perdas atingiram Cascavel, Maringá e Pato branco, com as duas primeiras indo a R$ 193,00 e a última indo a R$ 192,00.

PREÇO NO PORTO: Paranaguá cai R$ 3,00/saca e alcança o valor de R$ 195,00/saca.

PREÇOS NO PORTO-FUTUROS: CIF PGUA 2022

  • Entrega Março com pagamento 29/04/22 R$ 198,00;
  • entrega Abril com pagamento 30/05/22 R$ 200,00;
  • entrega Maio com pagamento 30/06/22 R$ 201,00;
  • entrega Junho com pagamento 29/07/22 R$ 200,40;
  • Entrega Julho com pagamento 31/08/22 R$ 203,30.

CIF PGUA 2023: Entrega Fevereiro com pagamento 30/03/23 R$ 180,00; entrega Março com pagamento 30/04/23 R$ 178,00

MATO GROSSO DO SUL: Dia de quedas expressivas nas bases de 2,60%

Após a invasão russa e consequente confirmação das relações econômicas internacionais sendo fracamente afetadas, os preços dos grãos no Brasil e no mudo voltam aos níveis vistos antes da invasão.

PREÇOS: Dourados a R$ 187,00, caindo o equivalente a R$ 5,00/saca. Campo Grande a R$ 187,00, caindo o equivalente a R$ 4,00/saca Maju a R$ 186,00, caindo o equivalente R$ 5,00/saca Chapadão a R$ 184,00 caindo de forma semelhante em R$ 4,00/saca Sidrolândia, por fim, a R$185,00, caindo R$ 5,00/saca.

MATO GROSSO: Mercado dividido entre consideráveis altas e baixas

Soja da safra 2021/2022 30k negociadas no início da semana em níveis de US$ 35.50/36,50saca e R$ 190,00/195 embarques de imediato a junho 2022. Compradores oferecendo R$ 182 A vista, R$ 185 março, R$ 187 Abril, R$ 190 maio. Soja da safra 2022/2023 foram negociadas 25k. Mercado mais focado em Barter. Preços ao redor de US$ 29.00/saca ou R$ 167,00/saca. Com isto a comercialização da safra 21/22 atingiu 55%e a 22/23, 20%.

Regionalmente, Campo Verde não se movimenta e permanece a R$ 178,50. Lucas do Rio Verde cai de forma relevante em 3,61% indo a R$ 165,60, perda de R$ 6,20/saca. Nova Mutum decai de forma ainda mais expressiva, perdendo 4,13%, valor equivalente a R$ 7,50/saca e vai a R$ 174,00. Primavera do Leste sobe em 1,68% e vai a R$ 182,37. Rondonópolis também sobe em 1,16% e vai a R$ 185,94. Sorriso, sobe de forma mais expressiva em 2,63% e vai a R$ 174,88, ganhando R$ 4,48/saca.

GOIÁS: Negociadas 203.669 toneladas na semana; colheita chega a 57,8%

Nesta semana foram negociadas 203.669 toneladas de soja no estado de Goiás, das quais 193.489 toneladas da safra 21/22 e 10.180 toneladas da safra 22/23. A colheita de soja atinge 57,8% no estado.

MATOPIBA: Dia de poucos movimentos,

Uruçuí marca alta de 4,97% Região de Balsas, no Maranhão, marca outro dia de baixa e cai em R$ 5,00/saca, indo a R$ 174,00. Porto Nacional-TO permanece nas posições anteriores em R$ 149,60. Uruçuí no Piauí sobe em R$ 8,50/saca, indo a R$ 179,50. LAM-BA permanece fixo a R$ 180,00. Os preços seguem se movimentando de forma pouco consistente nas partes menos afetadas do Brasil.

Fonte: T&F Agroeconomica



Equipe Mais Soja
Equipe Mais Soja
A equipe editorial do portal Mais Soja é formada por profissionais do Agronegócio que se dedicam diariamente a buscar as melhores informações e em gerar conteúdo técnico profissional de qualidade.
Artigos relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Populares