Muitas espécies de insetos estão associadas à cultura do milho, mas apenas algumas espécies provocam danos econômicos às plantas de milho. Com o cultivo do milho safrinha, as condições ambientais durante a cultura são diferentes daquelas encontradas nos plantios de verão. Com isso, o conhecimento da dinâmica populacional de insetos em plantios de safrinha, bem como a correta identificação, monitoramento e controle das pragas é fundamental para seu manejo correto e eficiente.


Veja também:Prioridades: Lagarta-do-cartucho (Spodoptera frugiperda) em milho


Ocorrendo em uma série de culturas, a lagarta-do-cartucho tem grande destaque nas lavouras de milho, soja e algodão, que são largamente cultivadas no Brasil e possuem grande influência socioeconômica no território nacional. Em todas as fases da cultura, incluindo a reprodutiva, está a lagarta-do-cartucho (Spodoptera frugiperda). “É a principal praga, independentemente do tipo de milho”, diz Ivan Cruz, pesquisador da Embrapa Milho e Sorgo.

O período de maior ocorrência é de outubro a janeiro, mas também podem ocorrer ataques severos na segunda safra de milho, se houver condições de baixa precipitação, temperaturas diurnas elevadas e temperaturas noturnas amenas, condições ideais para o desenvolvimento da praga.

Em relação ao dano causado na espiga, o período mais sensível é quando a infestação ocorre entre V15 (pré-florescimento) e R2 (uma semana após o florescimento). Evidentemente não há espigas formadas no estádio V15, porém, as lagartas iniciam sua alimentação nas folhas e migram posteriormente para espiga, justamente no início da emissão dos estilos-estigmas.

Não tem sido uma tarefa fácil controlar S. frugiperda, os inseticidas, com frequência têm apresentado falhas de controle, devido ao aumento de indivíduos resistentes no campo, em consequência da pulverização de inseticidas com mesmo mecanismo de ação. Nessa situação, a efetiva implementação de estratégias de manejo da resistência é de extrema importância para garantir a durabilidade de qualquer tática de controle.

Figura 1: Presença da lagarta-do-cartucho na espiga do milho durante fase final de desenvolvimento da cultura.

Fonte: Pioneer sementes.

Em trabalho realizado por Grigolli et al., (2019), observou-se a eficiência de alguns inseticidas no controle da lagarta-do-cartucho. Os resultados indicaram que no cenário de início de desenvolvimento das lagartas nas plantas de milho, todos os inseticidas apresentaram em pelo menos uma avaliação eficácia acima de 80% de controle de S. frugiperda. Entretanto, os mais eficazes foram Lannate BR + Premio (1000 + 100 mL ha-1) e Pirate (750 mL ha-1), que demonstraram eficácia acima de 90% em todas as avaliações (Tabela 1).

Tabela 1. Eficácia (%) de controle de Spodoptera frugiperda aos 1, 4, 7, 10 e 14 dias após a aplicação de diferentes inseticidas no início da raspagem das lagartas em plantas de milho. Maracaju, MS, 2019.

Fonte: Grigolli et al., (2019).

Já no cenário de lagartas encartuchadas, o contexto muda. Os mesmos inseticidas, que até então apresentaram eficácia acima de 80% em pelo menos uma avaliação, mudaram completamente seu perfil de controle. Os inseticidas Lannate BR + Belt (1000 + 100 mL ha-1), Lannate BR + Premio (1000 + 100mL ha-1) e Pirate (750 mL ha-1) foram os mais eficazes, atingindo 90% ou mais de eficácia de controle de S. frugiperda em lagartas de milho encartuchadas (Tabela 3).

Tabela 2. Eficácia (%) de controle de Spodoptera frugiperda aos 1, 4, 7, 10 e 14 dias após a aplicação de diferentes inseticidas com as lagartas encartuchadas em plantas de milho. Maracaju, MS, 2019.

Fonte: Grigolli et al., (2019).

O trabalho completo pode ser acessado clicando aqui.


 


Elaboração – Engenheira Agrônoma Andréia Procedi – Equipe Mais Soja.


Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.