Em meio a dificuldade de controle de determinados patógenos, principalmente os que acometem a soja na fase inicial do seu desenvolvimento, o tratamento de sementes com fungicidas é uma das principais ferramentas empregadas. Entretanto, com o aumento dos casos de resistência de patógenos a fungicidas e a limitada oferta de novas moléculas, estratégias alternativas de manejo passaram a ser empregadas, buscando o controle eficiente desses fitopatógenos.

Dalacosta; Furlan; Mazaro (2019), destacam que uma dessas estratégias é o controle biológico, com microrganismos como espécies do gênero Trichoderma, que apresenta alta versatilidade em modos de ação (parasitismo, antibiose, competição) e ainda, induzem resistências nas plantas e produzem sideróforos. Contudo, tendo em vista que o controle biológico utilizando esses microrganismos é utilizado muitas vezes em conjunto com fungicidas e inseticidas no tratamento de sementes, conhecer a compatibilidade entre ambos é determinante para a manutenção da eficiência do controle biológico.

Muitas vezes, a utilização de produtos químicos pode agir de forma indesejada no desenvolvimento do agente de controle biológico, por reduzir seu potencial de ação ou causar inviabilização. Os fungicidas químicos podem afetar o crescimento vegetativo, a viabilidade e a conidiogênese dos antagonistas, afetando os mecanismos de ação ou até mesmo a composição genética. Várias espécies do gênero Trichoderma são relatadas como portadoras de uma resistência inata e ou induzidas a muitos fungicidas, no entanto, essa resistência é diferente em função do fungicida utilizado (Dalacosta; Furlan; Mazaro, 2019). Logo, é necessário conhecer a compatibilidade entre fungicidas e espécies de Trichoderma.

Conforme destacado por Dalacosta; Furlan; Mazaro (2019), diversos estudos foram realizados avaliando a compatibilidade entre as principais espécies de Trichoderma e ingredientes ativos de fungicidas registrados para o tratamento de sementes de soja. Ainda que distintas metodologias tenham sido empregadas em avaliações nos diferentes estudos, de modo geral se observa a concordância entre compatibilidade e incompatibilidade (Tabela 1).



Tabela 1. Estudos de compatibilidade/incompatibilidade de Trichoderma spp. com ingredientes ativos de fungicidas.

Adaptado: Dalacosta; Furlan; Mazaro (2019)

Mais a fundo, um estudo conduzido por Dalacosta (2019) avaliou a compatibilidade dos principais produtos utilizados no tratamento de sementes de soja, com duas formulações de Trichoderma harzianum (grânulos dispersíveis em água e suspensão concentrada), utilizando as dosagens recomendadas pelos fabricantes. Conforme resultados observados, o tratamento contendo a combinação de ingredientes ativos tiofanato metílico/ fluazinam causou efeito fungicida sobre o T. harzianum, independente da formulação de Trichoderma utilizada (Tabela2).

Cabe destacar que Dalacosta (2019) assim como outros autores também analisaram a compatibilidade do ingrediente ativo carbendazim com espécies de Trichoderma, entretanto, por determinação da Anvisa, desde 21 de junho de 2022, está suspensa a importação, produção, distribuição e comercialização desse ingrediente ativo (Anvisa, 2022).

Tabela 2. Crescimento micelial (cm) e inibição (%) das duas formulações de Trichoderma em meio de cultura modificado com os produtos químicos na dose de bula, após 72 horas em BOD a 25±2 °C.

Adaptado: Dalacosta; Furlan; Mazaro (2019)

Logo, deve-se ficar atento ao utilizar os ingredientes ativo tiofanato metílico/ fluazinam em conjunto com o Trichoderma harzianum no tratamento de sementes da soja para não comprometer a viabilidade do fungo e eficiência de controle de patógenos.

Figura 1. Efeito de diferentes ingredientes ativos no desenvolvimento de T. harzianum.

Adaptado: Dalacosta; Furlan; Mazaro (2019)

Vaja mais: Trichoderma em trigo – Fungo pode atuar na promoção do crescimento e incremento da produtividade


Referências:

ANVISA. AGROTOXICOS: ANVISA DETERMINA SUSPENSÃO CAUTELAR DO AGROTÓXICO CARBENDAZIM. AGÊNCIA Nacional de Vigilância Sanitária, 2022. Disponível em: < https://www.gov.br/anvisa/pt-br/assuntos/noticias-anvisa/2022/anvisa-determina-suspensao-cautelar-do-carbendazim >, acesso em: 03/08/2022.

DALACOSTA, N. L.; FURLAN, S. H.; MAZARO, S. M. COMPATIBILDIADE DE PRODUTOS À BASE DE TRICHODERMA COM FUNGICIDAS UTILIZADOS NO TRATAMENTO DE SEMENTES. TRICHODERMA: USO NA AGRICULTURA. Cap. 12, 2019. Disponível em: < https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/1117296/trichoderma-uso-na-agricultura >, acesso em: 03/08/2022.

Acompanhe nosso site, siga nossas mídias sociais (SiteFacebookInstagramLinkedinCanal no YouTube)

 

 

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.