O processo de semeadura é o primeiro passo para uma boa lavoura, contudo, além da realização do processo de forma adequada, a utilização de sementes com boa qualidade fisiológica, sanitária, genética e física é essencial para o estabelecimento de uma lavoura de qualidade e produtiva.

As sementes podem ser adquiridas comercialmente ou produzidas na própria fazenda (sementes salvas), entretanto, independente da forma de obtenção das sementes, a manutenção da qualidade dessas é fundamental para evitar perdas de produtividade proporcionando condições adequadas para o crescimento e desenvolvimento vegetal.

Uma das principais formas de promover proteção e segurança as sementes contra o ataque de pragas e patógenos é por meio do tratamento de sementes com inseticidas e fungicidas. O tratamento de sementes pode ser industrial ou realizado na própria propriedade, cada um com suas vantagens e desvantagens.

Veja também: Tratamento de sementes industrial ou on Farm?

Conforme observado por Costa et al. (2018), o tratamento de sementes de soja com inseticidas ou fungicidas não interfere negativamente nem significativamente na germinação das sementes de soja ou prejudica sua qualidade fisiológica, mesmo quando tratadas e armazenadas por diferentes períodos como observado por Dorneles et al. (2018) onde as sementes de soja foram armazenadas por até 42 dias após o tratamento sem que maiores perdas qualitativas fossem observadas.



Masson et al. (2015) avaliando a eficiência do tratamento de sementes de soja com inseticidas e seus efeitos no início do desenvolvimento da cultura observaram que independente dos tratamentos analisados, não foram observadas diferenças significativas para as variáveis porcentagem de germinação, índice de velocidade de germinação, altura de planta, diâmetro de colmo e massa seca da parte aérea quando comparados os tratamentos testados com a testemunha, destacando a baixa interferência do tratamento de sementes quanto a características das sementes e plântulas de soja.

Tabela 1. Porcentagem de germinação (PG), índice de velocidade de germinação (IVG), altura de planta (AP), diâmetro de colmo (DC) e massa seca da parte aérea (MSPA) da cultura da soja submetida a diferentes inseticidas via tratamento de sementes. Dourados, MS. 2014.

Fonte: Masson et al. (2015).

O tratamento de sementes desempenha papel fundamental no início do desenvolvimento da soja, promovendo proteção contra pragas e patógenos que podem causar sérios danos na cultura, acarretando redução do estande de plantas ou até mesmo inviabilizando o cultivo. Segundo Richetti & Goulart (2018), dentre as misturas de fungicidas/inseticidas para uso no tratamento de sementes da soja recomendadas pelo Ministério da Agricultura pode-se citar Carbendazin + thiran; Carboxin + thiran; Fipronil e Piraclostrobina + tiofofanato metílico + fipronil, as respectivas doses podem ser observadas na tabela 2.

Tabela 2. Misturas formuladas e respectivas doses dos fungicidas/inseticidas recomendados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento para o tratamento de sementes de soja e usados na composição do custo de produção.

Fonte: Richetti & Goulart (2018).

Embora o tratamento de sementes desempenhe papel fundamental no combate a pragas e doenças nos estádios iniciais do desenvolvimento da soja, segundo Richetti & Goulart (2018), atualmente ele representa menos de 2% do custo de produção da cultura, correspondendo a 1,5% para a safra 2018/2019 no estado do Mato Grosso.

Figura 1. Custo do tratamento de sementes e custo total da soja, por hectare, no período de 2008/2009 a 2018/2019, em Mato Grosso do Sul.

Fonte: Richetti & Goulart (2018).

A exemplo, considerando um custo de produção da soja de 3000,00 R$.ha-1 o custo correspondente ao tratamento de sementes é de 45,00 R$.ha-1, um custo relativamente baixo considerando as vantagens da utilização do tratamento de sementes.

Tendo em vista os aspectos observados e a não interferência significativa do tratamento de sementes em atributos fisiológicos da mesma, cabe destacar que o tratamento de sementes é uma das ferramentas de melhor custo-benefício na implementação do cultivo da soja, promovendo proteção das sementes contra pragas e patógenos, e reduzindo a perda de plantas pelo ataque desses agentes prejudicais a cultura.

Referências:

COSTA, E. M. et al. EFEITO FISIOLÓGICO DE INSETICIDAS E FUNGICIDAS SOBRE A GERMINAÇÃO E VIGOR DE SEMENTES DE SOJA (Glycine max L.). Científic@ – Multidisciplinary Journal, v. 5, n. 2, 2018.

DORNELES, G. D. O. et al. DESEMPENHO DE SEMENTES DE SOJA SUBMETIDAS A TRATAMENTO COM FUNGICIDA/INSETICIDA E PERÍODOS DE ARMAZENAMENTO. Anais do 10º SALÃO INTERNACIONAL DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO – SIEPE, 2018.

MASSON, G. L. et al. EFICÁCIA DA APLICAÇÃO DE INSETICIDAS NO TRATAMENTO DE SEMENTES DE SOJA E SEUS EFEITOS NO DESENVOLVIMENTO INICIAL DA CULTURA. ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer – Goiânia, v.11 n.21; p. 923, 2015.

RICHETTI, A.; GOULART, A. C. P. ADOÇÃO E CUSTO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA CULTURA DA SOJA. Embrapa, Comunicado Técnico, n. 247, 2018.

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.