As espécies de tripes (ordem Thysanoptera) estão dispersas no mundo todo, havendo predominância em regiões tropicais. Muitas plantas cultivadas são atacadas por tripes, sendo a soja uma destas. Estes insetos estão associados a períodos de estiagem, e lavouras severamente afetadas por esta praga em diferentes estádios podem gerar perdas que variam de 10 a 25% no rendimento de grãos (GAMUNDI et al., 2005).

São insetos sugadores que atacam principalmente as folhas, medindo de 1 a 2 mm de comprimento. Apresentam cor marrom ou preta e, em anos secos, podem atingir altas densidades populacionais. Com seu aparelho bucal, raspam as folhas da soja, que tornam-se prateadas após o ataque. Esse dano direto decorrente da alimentação não causa, por si só, reduções drásticas de produtividade; porém o seu dano indireto, como transmissor do vírus que causa a doença “queima-do-broto”, pode causar sérios prejuízos à cultura.

Figura 1.  Adulto de tripes.

Fonte: Sosa-Gómez et al., 2014.

As ninfas possuem coloração branca, amarelada ou preta e costumam se abrigar na face inferior dos folíolos novos, inclusive no interior dos folíolos ainda não abertos. Ocorrem três ínstares ninfais, atingindo a fase adulta entre oito e nove dias.

Nas lavouras de soja, podem ser encontradas várias espécies de tripes, tais como: Caliothrips impurus; C. phaseoli; Frankliniella tritici; Neohydatothrips sp.; Scirtothrips dorsalis; Sericothrips occipitales Hood; Sericothrips variabilis; Taeniothrips sjostedti; Thrips palmi Karny. Porém, as espécies mais comuns em lavouras de soja são o tripes carijó, C. brasiliensis e o tripes marrom, F. schultzei (MOSCARDI et al., 2012).

Na safra 2011/2012, foi realizado um levantamento em lavouras de soja de quatro municípios do sul do Brasil, com o objetivo de monitorar a ocorrência de tripes. Foram identificadas duas espécies da família Thripidae, Caliothrips brasiliensis e Frankliniella schultzei, sendo a primeira a mais abundante e presente em todos os locais amostrados (DEMARCO et al., 2013).

Figura 2. Tripes C. brasiliensis adulto, ninfa e sintomas de raspagem nas folhas.

Fonte: Salvadori et al., 2007.

A predominância de uma ou outra espécie de tripes pode variar dependendo da região, assim como o potencial para causar injúrias em soja. Pesquisas apontam que uma população média de 16 tripes da espécie Echinothrips americanus por trifólio são suficientes para causar bronzeamento das folhas e clorose nas plântulas de soja (VITERI et al., 2009).

Segundo Monteiro (1994), há poucas espécies de tripes que são vetores de vírus fitopatogênicos. No entanto, essas espécies ocorrem com frequência e pertencem à família Tripidae, sendo a espécie F. occidentalis a mais importante transmissora do vírus TSWV.

Portanto, o produtor deve estar atento ao desenvolvimento da sua lavoura e realizar monitoramento constante para identificar a presença das diferentes espécies de tripes ocorrentes em soja. Assim, é possível empregar o melhor manejo para combater a praga, aliando escolha de cultivares e controle químico para evitar a redução no rendimento de grãos.

Revisão: Henrique Pozebon, Mestrando PPGAgro  e Prof. Jonas Arnemann, PhD. e Coordenador do Grupo de Manejo e Genética de Pragas – UFSM

 REFERÊNCIAS:

GAMUNDI, Juan Carlos et al. Evaluación del daño de trips Caliothrips phaseoli (Hood) en soja. Para mejorar la producción, v. 30, p. 71-76, 2005.

HOFFMANN-CAMPO, Clara Beatriz et al. Pragas da soja no Brasil e seu manejo integrado. Londrina: Embrapa soja, 2000.

DEMARCO, Liamar et al. Ocorrência em cultivares e controle químico de lagartas, ácaros e tripes, em soja. 2013.

SOSA-GÓMEZ, Daniel Ricardo et al. Manual de identificação de insetos e outros invertebrados da cultura da soja. Embrapa Soja-Documentos (INFOTECA-E), 2014.

MOSCARDI, Flavio et al. Artrópodes que atacam as folhas da soja. Soja: manejo integrado de insetos e outros artrópodes-praga, p. 213-309, 2012.

VITERI, D.; CABRERA, I.; DE JENSEN, C. Estévez. New record of thrips species associated with soybeans in Puerto Rico. The Florida Entomologist, v. 92, n. 1, p. 181-185, 2009.

MONTEIRO, Renata Chiarini. Espécies de tripes (Thysanoptera, Thripidae) associadas a algumas culturas no Brasil. 1994. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

SALVADORI, José Roberto; PEREIRA, PRV da S.; CORRÊA-FERREIRA, Beatriz Spalding. Pragas ocasionais em lavouras de soja no Rio Grande do Sul. Embrapa Trigo-Documentos (INFOTECA-E), 2007.



Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.