O objetivo é avaliar a variação espaço-temporal das
propriedades ligadas a acidez do solo e também necessidade de calagem, em uma
catena de solos do pampa gaúcho monitorada por 5 anos

Autores: Thaynan Hentz de Lima1; Júlio César Wincher Soares1; Higor Machado de Freitas1; Vanderson Fernandes Campos1; Carolyne Garcia Uberti1; Jamille de Lara Machado1

Introdução

A acidez do solo limita a produção agrícola em consideráveis áreas no mundo, as principais causas químicas que causam o aumento da acidez, destacam-se a água da chuva, a decomposição de materiais orgânicos, a adição de fertilizantes nitrogenados e lixiviação de cátions (Wietholter, 2002).

Ela é composta pela acidez ativa e a potencial, a acidez ativa é analisada através da determinação da atividade de íons de Hidrogênio (H+) na solução do solo, por meio do pH H2O. A acidez potencial é caracterizada pela soma da acidez trocável (referente aos íons H+ e Al3+ que estão retidos na superfície dos colóides por forças eletrostáticas) com a acidez não trocável, que corresponde àquela acidez neutralizada até um determinado valor de pH (Teixeira et al., 2017).

Para que que ocorra a neutralização desses elementos limitantes às culturas, essas partículas de solo devem entrar em contato com o calcário ou com os produtos de sua transformação, esse processo ocorre com o auxílio da água, sendo necessário ou não a incorporação do solo (Weirich Neto et al., 2000).

O presente trabalho teve por objetivo avaliar a variação espaço-temporal das propriedades ligadas a acidez do solo e também necessidade de calagem, em uma catena de solos do pampa gaúcho monitorada por 5 anos.

Material e Métodos

O presente estudo foi desenvolvido na Fazenda Escola da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – URI, Câmpus de Santiago, com coordenas centrais UTM 705.589 E e 6.769.112 S (SIRGAS 2000, zona 21 S). Foi estipulado uma malha amostral fixa de 52 pontos com uma equidistância de 15m entre os pontos, foi analisado uma profundidade do solo de 20cm, perfazendo uma área total de 1,17ha, tendo 5 anos de monitoramento. Para locação dos pontos foi utilizado um receptor GNSS (Sistema Global de Navegação por Satélite) Leica modelo Viva GS15, com dupla frequência (L1/L2) e disponibilidade de Posicionamento em Tempo Real (RTK).

A partir do grid de pontos, foram realizadas as coletadas das amostras de solo, onde foram determinadas as seguintes propriedades químicas: valores de matéria orgânica do solo (MOS), onde foram determinado conforme Raij et al, (2001) e conversão para MOS, o pH H2O e Al trocável foram realizados conforme Tedesco et al., (1995), já o pH SMP foi analisado através da solução tampão SMP, sugerida por Shoemaker et al., (1961), tendo a posterior transformação desse índice SMP para os valores de H+Al, pela equação estabelecida por Kaminski et al., (2001). O cálculo de recomendação de calagem foi realizado através do índice SMP para o primeiro ano, e nos anos subsequentes a recomendação foi realizada através da equação polinomial, que leva em consideração a MOS e o Al.

A variabilidade do solo foi observada pela análise estatística descritiva e a normalidade dos dados foi testada por Kolmogorov-Smirnov, com p < 0,05. Já o coeficiente de variação (CV) foi classificado como: baixo (CV < 12%), médio (12%< CV >60%) e alto (CV > 60%), segundo Warrick e Nielsen (1980).

No software ArcGIS® 10.5.1, utilizando a geoestátisca, foram realizados os ajustes dos modelos de semivariogramas aos dados, sendo definidos os parâmetros do efeito pepita, patamar e alcance. O Grau de Dependência Espacial (GDE) foi classificado como fraco, moderado e forte, conforme Cambardella et al., (1994). Em seguida, foram elaborados mapas utilizando um algoritmo preditor, a krigagem ordinária, sendo possível um maior detalhamento.

Resultados e Disucssão

Os resultados referentes às análises estatísticas descritivas apresentam distribuição normal, conforme o teste de Kolmogorov-Smirnov (Tabela 1). O CV (%) da quantidade de calcário do ano de 2016 foi calssificado como baixo, a área era campo nativo, onde foi realizado o revolvimento do solo para a agricultura. O CV (%) dos anos subsequêntes foram classificados como médios. A média de calagem se apresenta estável e/ou descresente, exceto no ano de 2019, onde foi realizada uma adubação nitrogenada no inverno, ocasionando um valor alto na média da correção.

A análise dos modelos de semivariogramas ajustados para a calagem, demonstram que a malha amostral foi suficiente para o experimento e que o erro experimental foi praticamente nulo (Tabela 2). Através dos mapas pode ser observada a variação espaço-temporal da quantidade de calcário no solo, valores obtidos através de práticas conservacionistas, o que corroboram para a diminuição da calagem na área em estudo (Figura 1).

Conclusão

A malha amostras foi de suma importância para o maior detalhamento dosdados. As práticas edáficas de conservação do solo reduziram a acidez do solo.

Informações sobre os autores:

  • 1 Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Santiago/RS. Thaynanh.lima@hotmail.com; juliowincher@gmail.com; higormfreitasagro@gmail.com; vandersonfc@outlook.com; garciauberticarolyne@gmail.com; machadojamille498@gmail.com.

Referências

DONAGEMA, G.K. et al. Manual de métodos de análise de solos. 2.ed. rev. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2011. 230p. (Embrapa Solos. Documentos, 132).

KAMINSKI, J.; RHEINHEIMER D. S.; BARTZ H, R.; GATIBONI, L. C.; BISSANI, C. A.; ESCOSTEGUY, P. A. V. Proposta de nova equação para determinação do valor de H+ Al pelo uso do índice SMP em solos do RS e de SC. In: REUNIÃO ANUAL DA REDE OFICIAL DE LABORATÓRIO S DE ANÁLISE DE SOLO E DE TECIDO VEGETAL DOS ESTADOS DO RIO GRANDE DO SUL E DE SANTA CATARINA, 33, Frederico Westphalen, 2001. Atas […]. Frederico Westphalen: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo – Núcleo Regional Sul, 2001. p. 21- 26.

RAIJ, B. V. et al. Análise química para avaliação da fertilidade de solos tropicais. Campinas: Instituto Agronômico, 2001. 285 p.

SHOEMAKER, H.E.; McLEAN, E.O. & PRATT, P.F. Buffer methods for determining the lime requirement of soils with appreciable amounts of extractable aluminum. Soil Sci. Soc. Am. Proc., 25:274-277, 1961.

TEDESCO M.J.; GIANELLO C.; BISSANI C.A. et al., Análise de solo, plantas e outros materiais. 2.ed. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1995. 147p. Teixeira, P.C.; Donagema, G.K.; Fontana, A. & Teixeira, W.G. (2017) – Manual de métodos de análise do solo. 3. ed. Brasília: Embrapa, 232 p.

WARRICK, A.W.; NIELSEN, D.R. Spatial variability of soil physical properties in the field. In:
Hillel, D. Applications of soil physics. New York: Academic Press, 1980.

WEIRICH NETO, P.H.; CAIRES, E.F.; JUSTINO, A.; DIAS, J. Correção da acidez do solo em função de modos de incorporação de calcário. Ciência Rural, v.30, p.257-261, 2000.

WIETHOLTER, S. Revisão das recomendações de adubação e de calagem para os estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. IN: REUNIAO SUL BRASILEIRA DE CIENCIA DO SOLO 4, Resumos. CD-ROM, UFRGS, Porto Alegre, 2002.

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.