InícioDestaqueAbrapa enfatiza a importância do Programa de Qualidade do Algodão Brasileiro em...

Abrapa enfatiza a importância do Programa de Qualidade do Algodão Brasileiro em reunião preparatória para evento na China

A importância do reconhecimento da China ao Programa de Qualidade do Algodão Brasileiro (PQAB), fazendo com que o gigante oriental dispense as retestagens da pluma nacional no destino, foi uma das mensagens-chave da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), na reunião preparatória para a VII Sessão Plenária da Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (Cosban), realizada nesta quinta-feira (21), na sala San Tiago Dantas, no Palácio Itamaraty, em Brasília, com participação dos diversos setores econômicos brasileiros. Na ocasião, a Abrapa foi representada pelo seu vice-presidente, Paulo Sergio Aguiar, e pelo diretor executivo, Marcio Portocarrero.

A Cosban é o mais elevado mecanismo institucional de cooperação entre o Brasil e a China e compreende 11 subcomissões temáticas.  Seus membros estarão reunidos na VII Sessão Plenária, que ocorrerá na China, nos dias 05 e 06 de junho próximo, tendo o vice-presidente do Brasil, Geraldo Alckmin, na co-presidência do evento, juntamente com o vice-presidente da República Popular da China, Han Zheng. Alckmin participou do encontro preliminar, organizado pela embaixadora Maria Laura da Rocha, Secretária Geral de Relações Exteriores do Brasil.

“Foi uma reunião muito organizada e proveitosa, onde cada setor representado teve a oportunidade de elencar suas demandas de forma bem objetiva. Os cotonicultores reforçaram a importância do Programa de Qualidade, que é a ‘certificação oficial’ do algodão brasileiro. O reconhecimento da China ao PQAB representará uma grande economia de tempo para a chegada do nosso algodão ao destino, naquele mercado”, argumentou o vice-presidente da Abrapa, Paulo Aguiar, destacando que, atualmente, a China testa novamente no destino todo o algodão que chega do Brasil.

“Nos últimos anos, investimos muito em qualidade de resultados dos nossos laudos de HVI, com a criação do programa Standard Brasil HVI (SBRHVI), e criação de um laboratório central para parametrizar e checar as análises de algodão.  Com a entrada do Ministério da Agricultura chancelando os processos, após uma série de treinamentos de inspetores e técnicos de laboratórios, isso ficou ainda mais rigoroso.

Nossos laudos são precisos e atendem aos padrões internacionais. Se forem aceitos como suficientes, ganhamos tempo numa logística que é muito mais longa do que a do nosso maior concorrente, os Estados Unidos”, disse Aguiar.

O vice-presidente da Abrapa enfatiza a importância do estreitamento de laços com o gigante oriental, que hoje é o terceiro maior mercado de vestuário do mundo, mas é o maior consumidor mundial de algodão.

A cada ano, a China consome por volta de 7 a 8 milhões de toneladas de pluma, das quais 2,4 milhões são importadas. “O país é o principal destino do algodão brasileiro, mas nós ainda somos o segundo lugar no ranking entre as origens do algodão que a China importa, depois dos Estados Unidos, e estamos trabalhando para sermos os primeiros do pódio”, concluiu Paulo Aguiar.

Fonte: Abrapa



 

Equipe Mais Soja
Equipe Mais Soja
A equipe editorial do portal Mais Soja é formada por profissionais do Agronegócio que se dedicam diariamente a buscar as melhores informações e em gerar conteúdo técnico profissional de qualidade.
Artigos relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Populares