InícioDestaqueAnálise do preço do trigo: Mercado lento, com preços inalterados

Análise do preço do trigo: Mercado lento, com preços inalterados

TRIGO NO RS: Mercado continuou entre pedidas de R$ 900,00, com compradores a R$ 850
Mercado no ritmo muito lento, com negócios pontuais, preços mais elevados para retirada imediata e preços menores (uma contradição) para retiradas posteriores, com vendedores pedindo R$ 900,00 FOB e compradores insistindo em pagar apenas R$ 850,00. Trigo importado chega ao estado ao redor de R$ 1.200,00/t, mas não é usado integralmente, apenas para fazer mescla de qualidade e preços.

TRIGO NO PR: Vendedores pedindo R$ 1.100,00 FOB e compradores R$ 1.020/1.030,00

O mercado continuou devagar nesta quinta-feira, com os agricultores mais preocupados em colher a soja e vender o milho do que em vender trigo. Quem ainda tem é porque não depende de liberação de espaço e pode esperar preços melhores. Os vendedores insistem em R$ 1.100,00, igual ao do trigo importado e os compradores oferecem no máximo R$ 1.030,00/tonelada. Negócios apenas pontuais, porque a maioria dos moinhos está abastecido até maio ou mais.

Houve muita compra, à vista ou programada, nos meses de dezembro e janeiro, que estão sendo entregues agora. Além disso, as cooperativas (9 no estado que tem moinhos médio/grandes e modernos) guardaram a maior parte da colheita dos associados para moer ao longo do ano.

Chama atenção as diferenças pagas aos agricultores no Sul e no Centro-Oeste

Enquanto os produtores do Sul do país recebem algo ao redor de R$ 44,00/saca em Santa Rosa-RS, R$ 41,00/saca em Concórdia-SC e R$ 52,00 em Cascavel-PR os seus colegas de Minas Gerais recebem R$ 58,00/saca em Brasília, R$ 60,00/saca em Itararé-SP e R$ 66,00/saca em Iraí de Minas-MG. Há que se notar que os trigos do RS e SC são os chamados “trigos brandos” e os do PR são trigos semi-duros e de São Paulo para cima são os chamados trigos duros, porque mais expostos à fotossíntese, razão pela qual tem preços melhores.

TRIGO-IMPORTAÇÕES: Preços finais do trigo argentino nos moinhos do Sul voltaram a subir

Os preços finais do trigo argentino posto nos moinhos do Sul do Brasil fecharam em alta nesta quinta-feira, acompanhando a forte elevação do dólar no Brasil, nos valores CIF (entre parênteses o preço do dia anterior):

a) Nos moinhos do Rio Grande do Sul e do Paraná, por via marítima (portos de Rio Grande e Paranaguá), atingirem cerca de R$ 1.204,58, (1.227,66) em Fevereiro, R$ 1.226,35 (1.217,46) em Março, R$ 1.242,13 (1.241,80) em Abril, R$ 1.274,95 (1.274,44) em Maio, R$ 1.299,30 (1.285,20) em Junho, R$ 1.301,31 (1.309,44) em Julho, R$ 1.303,25 (1.311,50) em Agosto e R$ 1.307,19 (1.306,11) em Dezembro.

b) Por via fluvial (desembarcadouro em Foz do Iguaçú) chegariam aos moinhos do Oeste do PR ao redor de R$ 1.160,94 (1.184,33) em Fevereiro, R$ 1.183,74/t (1.174,18/t) em Março e R$ 1.200,44/t (1.200,44) em Abril.



Fonte: T&F Agroeconômica

Equipe Mais Soja
Equipe Mais Soja
A equipe editorial do portal Mais Soja é formada por profissionais do Agronegócio que se dedicam diariamente a buscar as melhores informações e em gerar conteúdo técnico profissional de qualidade.
Artigos relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Populares