Pragas como percevejos e lagartas acometem frequentemente a cultura da soja, causando danos tanto de ordem quantitativa quanto qualitativa, depreciando grãos e sementes produzidas e reduzindo a produtividade da cultura. Visando reduzir esses danos, o controle dessas pragas é indispensável em um sistema de produção, sendo necessário adotar medidas além do uso de inseticidas para maior eficiência de controle.

Tendo em vista a necessidade de controlar essas pragas e reduzir danos em culturas comerciais, o manejo integrado de insetos passa a ser ferramenta fundamental visando a sustentabilidade e rentabilidade da lavoura, e o controle de plantas daninhas desempenha papel determinante no manejo de pragas. Segundo Panizzi; Bueno; Silva (2012), além das plantas cultivadas, algumas espécies de plantas daninhas podem atuar como hospedeiras de insetos como percevejos e lagartas, possibilitando a sobrevivência dessas pragas durante os períodos entressafra.



Espécies de gramíneas (Poaceae) e daninhas como a buva (Conyza spp.) e caruru (Amaranthus sp.) além de estarem compreendidas no grupo das principais daninhas que incidem em culturas agrícolas, são hospedeiras comuns de diversas pragas que acometem lavouras. Conforme observado por Engel; Pasini; Hörz (2018), no caso das gramíneas em específico, as com capacidade em formar touceiras como Chloris distichophylla, Erianthus angustifolium e Andropogon bicornis, existem uma relação entre o diâmetro da planta e o número de percevejos hospedados, sendo que quanto maior a planta hospedeira (maior diâmetro), maior a população de pragas abrigadas.

Figura 1. Flutuação populacional de percevejos pentatomídeos fitófagos em Chloris distichophylla (Cd) durante as entressafras dos anos de 2014, 2015 e 2016.

Fonte: Engel; Pasini; Hörz (2018)

Tendo em vista os aspectos observados, é possível afirmar que o manejo e controle de plantas daninhas na safra e entressafras das culturas agrícolas é de suma importância também para o manejo de pragas e não só para reduzir a matocompetição entre planta daninha e cultivada. Logo, o controle de plantas daninhas tanto em áreas de cultivo quando em bordaduras pode contribuir significativamente para o manejo de pragas, quebrando o ciclo de desenvolvimento de alguns insetos e consequentemente reduzindo a densidade populacional deles.

Confira o vídeo abaixo com as contribuições do Dr., Pesquisador e Consultor Mauricio Paulo Batistella Pasini.


Inscreva-se agora no canal dos Professores Alfredo & Leandro Albrecht, aqui.


Acompanhe nosso site, siga nossas mídias sociais (SiteFacebookInstagramLinkedinCanal no YouTube

 

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.