As plantas daninhas competem com o feijoeiro por água, luz e nutrientes. Como sabemos, a competição de plantas daninhas com as culturas, depende de vários fatores como:

  • espécie de planta daninha;
  • densidade da planta daninha;
  • fertilidade do solo;
  • disponibilidade de água;
  • hábito de crescimento da cultura.

A cultura do feijão não tolera plantas daninhas no início do desenvolvimento da cultura, até os 30 dias após a sua emergência (30 DAE). Assim, geralmente apenas uma intervenção na pós-emergência da cultura, já é suficiente para não reduzir a produtividade. Isso vale, se, a cultura foi semeada no limpo, após uma boa dessecação. 

Entretanto, precisamos lembrar de que apenas uma intervenção pode ser suficiente para não reduzir a produtividade, porém, a presença de algumas plantas daninhas pode prejudicar a colheita da cultura, o que exigiria mais um momento de controle. Em lavouras pequenas este controle na pós-emergência da cultura, geralmente é realizado com capina. Entretanto, em lavouras maiores, utiliza-se os herbicidas. Os herbicidas registrados para a cultura do feijão, estão listados abaixo e separados de acordo com o mecanismo de ação.

Observe que, pelo fato de o feijão ser uma planta de folha larga (eudicotiledônea), existem muitos graminicidas registrados para o controle de gramíneas. Alguns produtos são recomendados apenas para a dessecação das plantas daninhas, antes do plantio como: o glyphosate, glufosinate, paraquat, diquat, flumioxazin.  

O bentazon, é um produto seletivo para o feijão, utilizado em pós-emergência para o controle de muitas plantas daninhas de folha larga. Por ser um produto usado em pós-emergência, geralmente é necessário o uso de adjuvantes.

O flumioxazin, também é utilizado para a dessecação do feijão, na dose de 50 – 60 g p.c./ha, quando a cultura estiver com 50% das folhas amarelas e com cerca de 70% das vagens maduras (coloração do amarelo ao palha). O imazethapyr e o imazamox são utilizados para o controle de folhas largas, em pós-emergência do feijão e das plantas daninhas. O imazamox deve ser aplicado entre o 1° até o 3° trifólio.

Conclusão

No texto de hoje, vimos que o feijão não tolera competição com as plantas daninhas no início do seu desenvolvimento. Este controle deve ser feito pelo menos até os 30 DAE, geralmente é feito com os herbicidas listados no texto, porém lembrando que existem outros métodos de manejo, como cultural e mecânico. 

Gostou do texto? Tem mais dicas sobre o manejo de plantas dannhas no feijoeiro? Adoraria ver o seu comentário abaixo!

Sobre a Autora: Ana Ligia Girardeli, Sou Engenheira Agrônoma formada na UFSCar. Mestra em Agricultura e Ambiente (UFSCar) e Doutora em Fitotecnia (USP/ESALQ). Atualmente, estou cursando MBA em Agronegócios.

 



 

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.