Hoje vamos dar continuidade aos textos sobre plantas daninhas importantes na cultura da soja.

Já falamos sobre o capim-amargoso e vassourinha-de-botão.

Hoje vamos entender um pouco mais sobre o capim-pé-de-galinha (Eleusine indica).

O capim-pé-de-galinha é uma planta daninha que ocorre em épocas mais quentes.

Se adapta bem a condições de solo compactado.

É um gramínea anual, entouceirada.

Apresenta colmos eretos com até 50 cm de altura ou colmos prostrados, ramificados, achatados e de coloração mais clara na base.

Casos de resistência à herbicidas

No mundo, foram relatados 33 casos de capim-pé-de-galinha resistente à herbicidas.

No Brasil, são 3 casos: o primeiro foi em 2003 aos herbicidas cyhalofop, fenoxaprop e sethoxydim (Inibidores da ACCase).

Em 2016 foi registrado a resistência ao glyphosate e, em 2017, caso de resistência múltipla a fenoxaprop e haloxyfop (Inibidores da ACCase) e glyphosate (Inibidor da EPSPs).



Como controlar esta planta daninha?

 O controle ideal do capim-pé-de-galinha é em pré-emergência ou pós-emergência inicial, quando esta planta está com no máximo 1 perfilho.

Takano et al. (2017) estudaram o controle de capim-pé-de-galinha com diversos herbicidas, abaixo separamos alguns exemplos retirados do trabalho, nos quais o controle foi acima de 90%:

  1. Herbicidas aplicados em pré-emergência (resultados aos 60 dias após a aplicação dos produtos – DAA):
  • sulfentrazone (600 g i.a./ha);
  • pendimethalin (1.250 g i.a./ha);
  • s-metolachlor (1.728 g i.a./ha);
  • trifuralin (1.800 g i.a./ha);
  1. Herbicidas aplicados em pós-emergência, quando o capim-pé-de-galinha estava com com 1 perfilho (28 DAA):
  • paraquat (400 g i.a./ha);
  • paraquat + diuron (400 + 200 g i.a./ha);
  • clethodim (108 g i.a./ha);
  • haloxyfop (60 g e.a./ha);
  • quizalofop (72 g i.a./ha);
  • fluazifop (250 g i.a./ha);
  • fenoxaprop (220 g i.a./ha);
  • glyphosate + clethodim (960 g e.a./ha + 108 g i.a./ha);
  • glyphosate + haloxyfop (960 + 60 g e.a./ha);
  • glyphosate + quizalofop (960 g e.a./ha + 72 g i.a./ha);
  • glyphosate + fluazifop (960 g e.a./ha + 250 g i.a./ha);
  • glyphosate + sethoxydim (960 g e.a./ha + 368 g i.a./ha).
  1. Pós-emergência quando o capim-pé-de-galinha estava com 4 perfilhos 28 DAA:
  • paraquat + diuron (600 + 300 g i.a./ha);
  • clethodim (192 g i.a./ha);
  • haloxyfop (120 g e.a./ha).

Andrade Junior et al. (2018) fizeram uma relação de herbicidas que podem ser utilizados para o manejo do capim-pé-de-galinha na cultura da soja.

Fonte: Andrade Junior et al. (2018).

Conclusão

Vimos neste texto a importância do manejo do capim-pé-de-galinha na cultura da soja.

Também, podemos observar algumas características que ajudam na identificação da espécie, além dos casos de resistência à herbicidas no Brasil.

E por fim, vimos alguns manejos com herbicidas em pré e pós-emergência da planta daninha.

Gostou do texto? Tem mais dicas sobre o capim-pé-de-galinha? Adoraria ver o seu comentário abaixo!

Sobre a Autora: Ana Ligia Girardeli, Sou Engenheira Agrônoma formada na UFSCar. Mestra em Agricultura e Ambiente (UFSCar) e Doutora em Fitotecnia (USP/ESALQ). Atualmente, estou cursando MBA em Agronegócios.

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.