A ferrugem-asiática da soja é a doença mais severa da cultura da cultura e a que demanda maior investimento dos produtores. Os fungicidas são atualmente uma das grandes ferramentas para o controle da doença, o problema, no entanto, é que a rede do Consórcio Antiferrugem, que avalia anualmente a eficiência dos fungicidas, tem identificado reduções na eficiência desses produtos.

A principal causa do problema vem sendo associada ao uso intensivo dos fungicidas, desde 2001, quando fungo Phakopsora pachyrhizi foi relatado pela primeira vez no Brasil. A maioria dos fungicidas utilizados no controle da ferrugem pertencem a três grupos (inibidores da desmetilação –” triazóis”; inibidores da quinona oxidase – “estrobilurinas” e inibidores da succinato desidrogenase – “carboxamidas”).


Leia também: Eficiência dos fungicidas no controle de ferrugem asiática (Phakopsora pachyrhizi) na cultura da soja na região Oeste do Paraná, safra 2018/2019


Ensaios visando a eficiência de fungicidas para o controle de doenças na cultura da soja vêm sendo realizados ao longo dos anos, e muitos resultados já estão bem consolidados. Para a ferrugem-asiática da soja, existe uma correlação direta entre aumento do controle e aumento da produtividade, e essas informações são de extrema importância no manejo da doença.



O não tratamento da ferrugem asiática pode resultar em média quebra de 30% na produção da oleaginosa. Essa redução na oferta, por sua vez, pode causar uma elevação nos preços da soja em grão de aproximadamente 22,9% e os valores do óleo de soja ao consumidor responderiam com aumento de 10,6%.

De acordo com dados apresentados pelo Consórcio Antiferrugem, o Paraná liderou as ocorrências de ferrugem asiática na safra 2018/2019, com mais de 50 casos. A região de Palotina também registrou incidência da doença nesta safra. “É essencial que o agricultor seja eficiente no controle das doenças e pragas da lavoura realizando o monitoramento constante para elevar os índices de produtividade e garantir a longevidade do negócio”, observa Helio Cabral, gerente de Marketing Soja da BASF.

Pensando nisso, em trabalho apresentado e publicado nos anais da 37ª Reunião de Pesquisa de Soja, os pesquisadores Senger, M.; Moresco, E.; Galdino, J.V.; Briega, A.H.; Oliveira, L.S.; Kaminski, M.R.; Moresco, F.M.; Silva, P.D.S.; Souza, K.C.; Luz, B.C.; Felde, R.E.C.; Brigola, L.A.B. realizaram um trabalho intitulado “Eficiência agronômica de diferentes fungicidas no controle da ferrugemasiática (Phakopsora pachyrhizi Sidow) na cultura da soja [Glycine max (L.) Merrill]”, com o objetivo de avaliar a eficiência agronômica de diferentes fungicidas aplicados via foliar, no controle de ferrugem-asiática e seu efeito em relação a produtividade na cultura da soja. Para acessar o trabalho completo clique aqui.

Veja abaixo os resultados encontrados pelos autores.

Tabela 1. Severidade da doença e área abaixo da curva de progresso da doença (AACPD).

Fonte: Senger et al., (20019).

Tabela 2. Produtividade, massa de mil grãos (MMG) da cultura da soja e desfolha causada pela doença.

Fonte: Senger et al., (20019).

Para acessar o trabalho completo, clique  aqui. 



Elaboração: Andréia Procedi – Equipe Mais Soja. 

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.