Em vídeo divulgado no canal no Youtube pelo pesquisador Marcelo Gripa Madalosso é abordado sobre as questões que devem ser levadas em consideração no controle da giberela em trigo, afim de tornar o controle químico mais eficiente.


Veja também: Monitoramento e controle de giberela e brusone na cultura do trigo


No vídeo, Madalosso destaca que com períodos mais chuvosos como vem acontecendo nos últimos dias no sul do país, uma atenção maior deve ser dada à giberela, doença muito comum na cultura, e para isso, o controle deve ser efetivo, devendo-se atentar para algumas questões que são de extrema importância para o sucesso da aplicação.

O pesquisador relata que não temos como fazer com que o fungicida atinja a planta internamente, para que ele proteja o ovário da planta, de forma sistêmica. Dessa maneira, as alternativas que restam para o controle são a redução do inóculo antes de que ele ataque a planta ou então a proteção da espiga.

Em relação à espiga, conforme comenta o pesquisador, como as espiguetas estão muito próximas, o uso de adjuvantes é de extrema importância para garantir com que as gostas do produto químico cheguem até o alvo principal.

Em casos onde o produtor utiliza óleo mineral ou óleo vegetal, recomendado para o próprio fungicida, é importante utilizá-los também com algum adjuvante, especialmente os que contém bastante tensoativos como os organosiliconados, para fazer com que se rompa a tensão superficial, permitindo com que as gotas do produto penetrem na espiga e na espigueta, que necessitam que o produto chegue até elas, molhando-as em toda a sua estrutura.

Conforme destacou o pesquisador, com a pálea e a lema, presentes na espiga do trigo, o local para a entrada do produto acaba sendo reduzido e prejudicado, por isso, estratégias que melhorem a ação e chegada do produto devem ser utilizadas e são de extrema importância para o controle de doenças.

Confira o vídeo abaixo.


Inscreva-se no canal do pesquisador Marcelo Gripa Madalosso Aqui



Elaboração: Engenheira Agrônoma Andréia Procedi – Equipe Mais Soja.

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.