A agricultura de larga escala busca alavancar o teto produtivo utilizando-se de uma série de tecnologias e equipamentos. Destaque especial deve ser dado ao avanço no setor de máquinas agrícolas, com tecnologias cada vez mais avançadas para aumentar eficiência, segurança, conforto e capacidade operacional.

Porém, ao mesmo passo que as máquinas recebem um incremento de tecnologia em ritmo acelerado, a complexidade para operá-las também aumenta em taxa similar, tanto no manuseio, quanto em regulagens e calibração. Nesse cenário é comum encontrar máquinas novas ou com pouco tempo de operação desempenhando trabalho insatisfatório. No caso dos pulverizadores, essa realidade é visível pelas falhas nas aplicações que, muitas vezes, deve-se a manutenção e/ou calibração incorretas ou, até mesmo, não realizadas. Por exemplo, o tamanho de gota deve ser compatível com o modo de aplicação, com as condições ambientais e com o produto utilizado, esse tamanho que varia de muito fina “very fine”, fina “fine”, média “medium”, grossa “coarse” e muito grossa “very coarse”

Fonte: COMAM (https://www.comam.com.br/produto/papel-hisrossensivel/).

Como consequência inúmeros problemas são gerados, desde a contaminação ambiental até a redução da rentabilidade da lavoura. A má calibração do equipamento resulta em aplicações de doses incorretas dos defensivos agrícolas, que podem contaminar o solo, a água, os vegetais alvo da pulverização ou outras plantas não alvo. Outra consequência da má calibração é o aumento do custo da pulverização, incrementado pela maior quantidade de produto aplicado ou da necessidade de reaplicação, quando se somam os custos de mão-de-obra e combustível.

A aplicação de princípios ativos em lavouras de grãos que causam fitotoxidade em outras culturas agrícolas, principalmente frutíferas, evidenciou o problema das aplicações sem o respeito às normas técnicas. A deriva resultante de más aplicações é causada pela pulverização sem considerar os fatores ambientais no momento da atividade e pode ser agravada pela má calibração dos equipamentos.

Pelos fatos apresentados, fica evidente a necessidade de calibração dos equipamentos de pulverização, para que as atividades ocorram de forma adequada, refletindo diretamente no menor dano ambiental, redução de litígios em áreas agrícolas e redução dos custos de produção.



Texto: Alexandre Castro Reis– Bolsista do grupo PET Agronomia/UFSM.

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.