Entressafra: saiba quais os cuidados que você deve ter para não deixar as plantas daninhas tomarem conta da sua área.

O tema de hoje é manejo de plantas daninhas na entressafra.

O que você faz para não deixar as plantas daninhas se desenvolverem e produzirem sementes na sua área?

Este é um tema muito importante, pois se você não fizer nada para manejar estas plantas durante este período, você estará contribuindo para o incremento do banco de propágulos na sua área.

Mas, então como devo proceder?

Vamos falar neste texto alguns métodos de manejo que você pode adotar na entressafra e que vão te ajudar no controle das plantas daninhas.

Fonte: Constantin et al. (2011).

Principais benefícios em fazer o manejo das plantas daninhas neste período

  • as plantas daninhas são controladas ainda quando pequenas;
  • reduz a produção de propágulos;
  • reduz o banco de sementes;
  • reduz a pressão de infestação das plantas daninhas na cultura de interesse na próxima safra;
  • auxilia no manejo de plantas daninhas de difícil controle, resistentes ou tolerantes a herbicidas;
  • algumas plantas daninhas hospedam pragas, doenças e nematoides.

Durante a entressafra, segundo Gazziero, é fundamental controlar algumas plantas daninhas como a buva, o capim-amargoso, trapoeraba, amendoim-bravo e o picão-preto.

Vamos ver agora algumas dicas de como realizar este manejo.


Leia Também: Competição de plantas daninhas com a cultura da soja


Durante a entressafra o manejo de plantas daninhas pode ser realizado com métodos de controle químico, cultural e mecânico.

Veja algumas dicas para escolher corretamente o método de controle:

A primeira dica é monitorar as plantas daninhas da sua área.

Após a colheita é muito importante fazer o monitoramento das plantas que emergem, pois assim você poderá adotar o melhor manejo.

Lembre-se que algumas plantas daninhas tem sua propagação não somente por sementes, mas através de bulbos, tubérculos e rizomas, como por exemplo a tiririca. Caso você adote o controle mecânico, você estará ajudando a planta a se propagar.

Fonte: Grupo de Extensão de São Pedro.

Por isso, é muito importante conhecer as espécies predominantes na área, para escolher o melhor método de controle.

Caso você opte pelo método mecânico, este poderá ser feito com roçadeira ou rolo-faca quando as plantas atingem determinado desenvolvimento. Entretanto, a dica aqui é fazer antes das plantas chegarem a produção de sementes. O ideal mesmo, é fazer até o início do florescimento.

A segunda dica é evitar deixar a área em pousio.

Para isso você pode optar por adubos verdes ou alguma cultura de cobertura.

Fonte: Ceres.

Essa prática têm muitos benefícios como:

  • melhora a estrutura do solo;
  • descompactação do solo;
  • redução da infestação e germinação de plantas daninhas;
  • interrupção do ciclo de pragas;
  • aumento na disponibilidade de nutrientes para cultura sucessora;
  • proteção do solo.

Observe no trabalho desenvolvido por Lima et al. (2014) como algumas plantas de cobertura conseguem reduzir a infestação das plantas daninhas.

A figura abaixo traz as características de algumas espécies de adubos verdes.

Fonte: Revista RPA News.

Agora que vimos algumas dicas de plantas de cobertura, vamos ver alguns pontos importantes caso você opte por fazer este manejo com herbicidas.

Um ponto importante no manejo de entressafra com herbicidas é que este tenha um residual prolongado, ou seja, que cubra o período entre a colheita e a semeadura da próxima safra.

Assim, em muitos casos utiliza-se um herbicida de amplo espectro de controle, ou seja, não seletivo associado a herbicidas residuais.

Herbicidas residuais que podem ser utilizados na entressafra (consulte a bula e veja as restrições para cada produto e cultura a ser semeada em sucessão).

  • metsulfuron;
  • chlorimuron;
  • diclosulam;
  • imazaquin;
  • imazethapyr;
  • metribuzin;
  • flumioxazin;
  • imazapic + imazapyr (mistura formulada de fábrica), só deve ser utilizada se na próxima safra o plantio for feito com soja tolerante às imidazolinonas.

Caso você esteja realizando rotação de culturas, lembre-se que alguns herbicidas possuem um intervalo mínimo entre a aplicação e a semeadura da soja.

Herbicida Intervalo entre a aplicação e a semeadura
metsulfuron 60 dias
2,4-D 7 dias
mesotrione 90 dias
iodosulfuron 90 dias
atrazina 90 dias
isoxaflutole 70 dias
nicosulfuron 30 dias
tembotrione 65 dias

Conclusão: Vimos neste texto que o manejo de plantas daninhas na entressafra é importante para não aumentarmos os nossos problemas e custos durante a safra.

Podemos utilizar os métodos mecânico, cultural e químico para fazer o manejo de entressafra.

O ideal é que a área não fique em pousio, para isso você pode utilizar plantas de cobertura ou adubos verdes.

Quando utilizado, o controle químico deve cobrir o período entre a colheita e a semeadura da próxima safra.

Você deve consultar as restrições para cada produto e cultura, pois alguns tem o intervalo mínimo entre aplicação e a semeadura da cultura.

Gostou do artigo? Tem mais dicas sobre o assunto? Adoraria ver seu comentário abaixo!

Sobre a Autora: Ana Ligia Girardeli, Sou Engenheira Agrônoma formada na UFSCar. Mestra em Agricultura e Ambiente (UFSCar) e Doutora em Fitotecnia (USP/ESALQ). Atualmente, estou cursando MBA em Agronegócios.

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.