A partir do surgimento da soja geneticamente modificada que permitiu a utilização do glifosato em pós emergência para o controle de planta daninhas, esse passou a ser o herbicidas mais utilizado mundialmente no controle de plantas daninhas na cultura da soja. Entretanto, a constate utilização do produto safra após safra no controle de plantas daninhas aumentou a pressão de seleção sobre alguns biótipos, selecionando plantas daninhas resistentes ao herbicida.

Uma delas é o azevém (Lolium multiflorum), segundo Lorenzi (2014), o azevém é uma planta anual ou bianual, pertencente a familília Poaceae, é uma planta considerada herbácea, cespitosa, ereta, de altura média variando entre 30-90cm, além disso a planta pode formar touceiras.

Figura 1. Planta adulta de azevém (Lolium multiflorum).

Fonte: Moreira & Bragança (2010).

Figura 2. A esquerda, plântula de Lolium multiflorum, a direito, sementes de Lolium multiflorum.

Fonte: Lorenzi (2014).

Segundo Vargas; Gazziero; Karam (2011), o azevém é uma planta muito utilizada para produção de forragem ou palhada para o sistema plantio direto, especialmente nas regiões Sul do Brasil onde o clima subtropical é bem definido e as estações frias favorecem o desenvolvimento da planta. Entretanto, a elevada produção de sementes e facilidade de dispersão fazem do azevém uma planta daninha indesejada nos cultivos de inverno, especialmente nas culturas do trigo, aveia, cevada, centeio e triticale. Além disso as sementes contidas no banco de sementes do solo permanecem viáveis por um longo período de tempo, o que torna o azevém uma planta daninha persistente nas áreas de cultivo.



Segundo Yamashita & Guimarães (2013), a resistência do azevém ao glifosato já é conhecida desde 2001. Entretanto o cenário da resistência do azevém a herbicidas é ainda mais preocupante, pois além das plantas apresentarem resistência simples ao herbicidas conforme casos observados por Rizzard; Roman; Vargas (2003), a planta daninha apresenta casos de resistência múltipla a herbicidas (weedscienci.org).

Segundo informações contidas em weedscienci.org, casos de resistência do azevém a outros herbicidas foram observados por Agostinetto; Mariani; Vargas (2010) para inibidores de ALS; Agostinetto et al. (2010) para inibidores da ACCase e inibidores da EPSPs; Agostinetto et al. (2016) para inibidores da ACCase e inibidores da ALS e Agostinetto et al. (2017) para inibidores de ALS e inibidores da EPSPs

Tendo em vista a severidades da problemática trazida pela resistência do azevém a diferentes mecanismos de ação de herbicidas, é fundamental buscar alternativas que possibilitem o controle eficiente dessa planta daninha e preferencialmente antes da sua produção de sementes evitando a disseminação da espécie.

 Uma das principais alternativas propostas por Vargas et al. (2015) é a rotação de mecanismos de ação de herbicidas, privilegiando o uso de herbicidas aos quais ainda não há resistência conhecida dessa planta daninha.

Figura 3. Mecanismos de ação de herbicidas aos quais o azevém apresenta resistência e mecanismos de ação alternativos para emprego no controle da planta daninha.

Fonte: Vargas et al. (2015).

Além disso, cabe destacar que conforme observado por Pereira; Carvalho; Dal Magro (2017), onde os autores avaliaram diferentes herbicidas no controle de dois biótipos de azevém, a resistência da planta daninha ao herbicida pode estar intimamente ligada ao biótipo, sendo que plantas distintas podem responder de forma a diferir quando ao grau de resistência e susceptibilidade aos herbicidas.

Os autores avaliaram dos biótipos de Lolium multiflorum onde foram aplicados diferente herbicidas nos estádios de 3-4 folhas e pré-florescimento da planta daninha. Conforme observado na tabela 1, os biótipos responderam de forma diferente a aplicação dos herbicidas, entretanto, para ambos quando aplicados em estádios de maior desenvolvimento da planta (pré-florescimento) o controle foi inferior a aplicação em 3-4 folhas, destacando a importância do estádio de desenvolvimento da planta daninha na eficiência do controle.



Tabela 1. Nível de controle (relativo à testemunha) de dois biótipos de Lolium multiflorum em dois estádios de crescimento, aos 14 dias após aplicação de herbicidas de diferentes mecanismos de ação.

Fonte: Pereira; Carvalho; Dal Magro (2017).

Conforme os resultados apresentados no trabalho, os autores concluem que para o controle de azevém, os melhores resultados forma observados quando utilizado paraquat; paraquat+diuron (controle superior a 85%), entretanto para as condições do presente estudo todos os herbicidas avaliados apresentaram eficiência de controle superior a 85% aos 28 dias após a aplicação do produto quando o controle foi realizado em plantas com 3-4 folhas. Confira o estudo completo clicando aqui.

Assim como a rotação dos mecanismos de ação de herbicidas, praticas culturais como evitar áreas de pousio, cultivando sempre culturas que promovam boa cobertura do solo também são fundamentais para o manejo integrado da resistência do azevém, assim como a utilização de herbicidas pré-emergentes. Áreas de integração lavora pecuária devem ter atenção redobrada. O ideal é realizar a quarentena dos animais antes de liberar a entrada dos desses na área de cultivo, visando diminuir a dispersão de sementes não só do azevém mas também de outras plantas daninhas as quais os animais possam ter se alimentado.

Referências:

LORENZI, H. MANUAL DE INDENTIFICAÇÃO E CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS: PLANTIO DIRETO E CONVENSIONAL. Instituto Plantarum, 2014.

MOREIRA, H. J. C.; BRAGANÇA, H. B. N. MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DE PLANTAS INFESTANTES: CULTIVOS DE VERÃO. Campinas, 2010.

PEREIRA, L. V.; CARVALHO, L. B.; DAL MAGRO, T. CONTROLE QUÍMICO DE Lolium multiflorum: EFEITO DO BIÓTIPO E DA ÉPOCA DE APLICAÇÃO. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v.16, n.3, p.338-341, 2017.

VARGAS, L. et al. AZEVÉM RESISTÊNTE: MANEJO E CONTROLE. II Colóquio Internacional sobre Plantas Daninhas Resistentes a Herbicidas, 2015.

VARGAS, L.; GAZZIERO, D. L. P.; KARAM, D. AZEVÉM RESISTENTE AO GLIFOSATO: CARACTERISTICAS, MANEJO E CONTROLE. Embrapa, Comunicado Técnico, n. 298, 2011.

WEEDSCIENCE. INTERNATIONAL HERBICIDE-RESISTANT WEED DATABASE. Disponível em: <http://weedscience.org/Pages/Case.aspx?ResistID=5546>, acesso em: 14/09/2020.

YAMASHITA, O. M.; GUIMARÃES, S. C. RESISTÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS AO HERBICIDA GLYPHOSATE. Varia Scientia Agrária, v. 3, n. 01, 2013.

Acompanhe nosso site, siga nossas mídias sociais (SiteFacebookInstagramLinkedinCanal no YouTube

 

 

 

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.