InícioDestaqueSegue implantação das culturas de inverno no RS

Segue implantação das culturas de inverno no RS

A cultura do trigo já alcança 43% de área plantada dos 915.712 hectares previstos para a safra 2020. De acordo com o Informativo Conjuntural divulgado pela Emater/RS-Ascar nesta quinta-feira (18/06), em parceria com a Secretaria Estadual de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), os produtores da região de Passo Fundo projetam um aumento de cerca de 30% da área de plantio em relação a 2019. Eles aguardam a diminuição da umidade dos solos, provocada pelas chuvas intensas no período, para retomar o plantio de trigo, que ocorre no período entre 10 de junho e 10 de julho. Já nas regionais de Frederico Westphalen, Santa Maria, Santa Rosa, Erechim, Bagé, Ijuí, Pelotas, Soledade e Caxias do Sul, a semana foi de ampliação das áreas de plantio. As lavouras implantadas estão em fase de germinação e desenvolvimento vegetativo.

Na região de Frederico Westphalen, 60 mil hectares já foram implantados. Com a perspectiva de clima favorável e de bons preços, há tendência de elevação de 15% da área total a ser cultivada em relação ao ano anterior. Na de Santa Maria, a área plantada já chegou a 22 mil hectares, e também há perspectiva de aumento na área total em relação à safra passada. Na regional de Santa Rosa, o plantio avançou pouco devido aos solos muito úmidos, e área implantada já alcança 155 mil hectares. As lavouras plantadas antes das chuvas da semana estão bom estande de plantas e apresentam entre uma a três folhas desenvolvidas. Na de Bagé, a combinação de fatores favoráveis, como preços em alta, perspectivas climáticas favoráveis e parcerias com empresas privadas, tem sido responsável pelo incremento na estimativa de 50% de aumento na área em relação à safra passada. Também é de 50% a tendência de aumento de área com trigo na região de Pelotas, em relação a 2019.

Na canola, a semana chuvosa, os períodos nublados e a alta umidade relativa do ar diminuíram o ritmo de implantação da cultura, nas regionais da Emater/RS-Ascar de Ijuí e Santa Rosa. Nesta, a semeadura foi realizada em 13.970 hectares, onde predominam as lavouras em desenvolvimento vegetativo. As áreas implantadas no cedo já iniciam a floração. A expectativa da canola na região é bastante promissora, pois as lavouras foram beneficiadas pelas condições favoráveis do tempo durante o plantio e germinação.

Na cevada, nas regionais de Erechim e Ijuí, a implantação da cultura foi interrompida pelo excesso de umidade dos solos em decorrência das chuvas. Na de Erechim, a estimativa da intenção de plantio sinaliza que deverá ser mantida a área plantada na safra passada. Na de Ijuí, as lavouras implantadas apresentam bom estabelecimento, a emergência foi uniforme e o desenvolvimento inicial das plantas é satisfatório. As plantas recém-emergidas estão com uma a três folhas.

Na regional da Emater/RS-Ascar de Ijuí, a aveia branca está em desenvolvimento vegetativo, sendo que a grande maioria das áreas apresenta elongação do colmo, e em pequenas áreas inicia a floração, com boa densidade de plantas e uniformidade nas lavouras. As plantas apresentam boa quantidade de afilhos, projetando alto potencial produtivo inicial.

Culturas de Verão

Milho – Na maior parte das regiões do Estado, a semana apresentou grande variação de temperatura e alta umidade; tais condições impossibilitaram a finalização da safra, já encerrada em 99% dos cultivos colhidos. As solicitações de vistorias de Proagro seguem ocorrendo nas lavouras que utilizam a política de crédito rural no Estado. Até quarta-feira (17/06) foram realizadas 6.621 vistorias de Proagro em lavouras de milho por técnicos da Emater/RS-Ascar. Ao todo, já foram realizadas 18.671 vistorias desde 01 de dezembro de 2019, em virtude dos danos provocados pela estiagem.

Na região administrativa da Emater/RS-Ascar de Soledade, a finalização da safra está mais atrasada, com 96% das lavouras colhidas. O rendimento atual é de 2.810 quilos por hectare. As lavouras por colher são aquelas estabelecidas no tarde, no período pós-colheita do tabaco, e apresentam retardo na maturação devido às condições de tempo úmido devido às chuvas e de temperaturas baixas que acarretam prolongamento do ciclo e interferem na qualidade do grão. Após a colheita, esses grãos terão que passar por um processo de secagem para evitar perdas durante a armazenagem.

Fonte: Emater/RS-Ascar

Equipe Mais Soja
Equipe Mais Soja
A equipe editorial do portal Mais Soja é formada por profissionais do Agronegócio que se dedicam diariamente a buscar as melhores informações e em gerar conteúdo técnico profissional de qualidade.
Artigos relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Populares