O trigo é um dos principais cereais que compõem a demanda mundial por alimentos, destacando-se sua contribuição de 20% para as calorias que compõem a dieta humana. O melhoramento genético no potencial de rendimento de seus grãos é uma alternativa sustentável para aumentar sua produção, visto que cultivares com maior potencial de rendimento mais do que outras em uma ampla gama de ambientes produtivos.

Num trabalho recente, coordenado por Fernanda González – professora e pesquisadora do INTA e do Conicet – são revisados ​​os grandes avanços de um grupo interdisciplinar de especialistas do INTA, do Conicet e da Universidade Nacional do Noroeste da Província de Buenos Aires (Unnoba) , em relação ao estudo da fertilidade da espiga de trigo e sua importância para a melhoria do rendimento potencial da cultura.

“A fertilidade da espiga ou eficiência de frutificação (FE, grãos por g de peso seco da espiga na antese) foi proposta como uma característica promissora para melhorar o potencial de rendimento do trigo, com base em sua relação funcional com a determinação do número de grãos e a evidência da variabilidade da característica em germoplasma de elite adaptado às condições produtivas da Argentina ”, explicou González.

O investigador da Estação Experimental Agrícola de Pergamino –Buenos Aires– do INTA acrescentou: “Nos últimos anos, assistimos a grandes avanços na compreensão da base fisiológica e genética desta característica”.

Por outro lado, os ganhos genéticos obtidos com o uso de um estimador da fertilidade da espiga na maturidade (FEm, grãos por grama de palha da espiga na maturidade) como critério de seleção, realizado pelas pesquisadoras Ana Pontaroli e María Pía Alonso, da Estação Experimental Balcarce –Buenos Aires– do INTA, permitiu concluir que esta característica tem valores moderados de herdabilidade realizados, o que é muito encorajador.

Em seguida, as pesquisas que realizamos na Estação Experimental Agrícola de Pergamino, junto com Ignacio Terrile e Nicole Pretini, com o auxílio de Leonardo Vanzetti, do Laboratório de Biologia Molecular do Experimental de Marcos Juárez –Córdoba– do INTA, nos permitiu identificar e validar os segmentos genômicos que determinam a fertilidade da espiga, o que sugere uma seleção para fertilidade auxiliada por marcadores moleculares em estágios iniciais de melhoramento.

“As regiões identificadas e validadas aumentam o rendimento da espiga entre 5 e 3%”, disse González, lembrando que esta linha de trabalho começou em 2007, na zona norte da província de Buenos Aires.

“Houve uma seleção do que na época eram variedades de elite com alto potencial de rendimento. Desta forma, estudámos como os materiais adaptados àquela área geravam rendimentos elevados e quais eram as variáveis, do ponto de vista ecofisiológico, mais importantes na sua determinação ”, explica o investigador do INTA que assinala:“ É assim que a fertilidade surgiu como um traço prioritário para nossas condições e germoplasma”.

Uma contribuição para a produção

“O próximo passo seria avaliar a resposta de desempenho de gerações avançadas de um programa de melhoramento após a seleção para fertilidade em espigas altas nas primeiras gerações”, antecipou o especialista responsável pela pesquisa.

As regiões identificadas e validadas neste trabalho interdisciplinar são inovadoras a nível internacional. Os marcadores desenvolvidos fornecem ferramentas que auxiliam molecularmente na seleção dessa característica, o que seria inviável devido à sua complexidade de mensuração. 

“Os principais usuários desta tecnologia serão os programas de melhoramento por ter novas ferramentas para selecionar um caráter muito complexo, como a fertilidade da espiga de trigo”, concluiu González.

Fonte: Disponível em Portal de Noticias INTA Informa

Foto de capa: INTA Informa

Texto originalmente publicado em:
INTA Informa
Autor: INTA Informa

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.