No dia 18/06 foram apresentados todos os cases campeões de produtividade do CESB no Fórum Nacional de Máxima Produtividade. Confira todos os manejos clicando aqui.

A fazenda Tolotti possui 1.700 ha de extensão, destes, 1.500 ha são destinados à produção de grãos, onde a cultura da soja ocupa uma área de 1.200 ha. A propriedade de Rafael Tolotti, situa-se no município de Erval Seco – RS. Na área total da lavoura a produtividade média do produtor foi de 70,0 sc/ha na safra 2018/19.

A área destinada ao concurso de máxima produtividade do CESB foi de 2,62 ha, obtendo uma produtividade de 123,50 sc/ha.



O produtor sempre utilizou práticas conservadoras na sua lavoura, com sistema de plantio direto que já vem sendo utilizado por mais de 10 anos, além da rotação de culturas, dentre elas, soja, trigo, aveia, milho, nabo e centeio.

A correção do solo através da calagem foi realizada nos anos de 2011, após a cultura da aveia com 3 t/ha; em 2014 após a aveia com 5 t/ha; em 2015 com 3 t/ha após o trigo; em 2016 com 3 t/ha após o trigo; em 2017 com 2t/ha após o trigo e em 2018 com 2,5 t/ha após o mix de plantas de cobertura do solo. Também foram aplicados Gesso Produbor após o trigo em 2016, Sulfurgran em 2017 após o trigo e Produbor em 2017 após o mix de plantas de cobertura.

A Figura 1 demonstra detalhadamente como foi realizado o manejo pelo produtor.

Figura 1 – Sistema diversificado – Campeão CESB 18/19 – Região Sul.

Nessa lavoura, a média de produtividade de 2010 até 2019 aumentou de 60,0 para 70,0 sc/ha onde a gleba do desafio se destaca ainda mais nesse cenário de acréscimo na produção.

Ao considerarmos o clima do local, observa-se que a chuva não supriu com as exigências da cultura da soja nos estádios V4 até R1, que teve um déficit hídrico de 44mm, de R1 até R5, onde 78,2 mm não foram supridos e principalmente de R5 a R6, onde teve-se um déficit hídrico de 96,7 mm, devido aos fatores climáticos e a elevada evapotranspiração, evidenciando o bom manejo do solo, que foi capaz de suprir com a demanda da cultura nesses períodos.

A cultivar utilizada foi 55157 RSF IPRO, grupo de maturação 5,5 e hábito de crescimento indeterminado, de ciclo precoce, com 94% de germinação e 90% de vigor, e com peso de mil sementes (PMS) médio de 209 g, sendo que na área do desafio o PMS obtido de 208,1g.


Leia também: Manejo para altas produtividades – Rafael Tolotti – Campeão do CESB


A média de vagens por planta foi de 55 e 4,2 vagens por nó, com uma média de 13 nós por planta, onde a inserção da primeira vagem estava aos 15 cm de altura e 69,1% dessas vagens possuíam três grãos, 20% dois grãos, 7,3% quatro grãos e 3,6% com somente um grão.

A semeadura ocorreu em 09/11/2018, dentro do período considerado tolerável no zoneamento agrícola. A população de plantas obtida foi de 200.000 plantas/ha com 9 plantas/ metro e espaçamento entrelinhas 45 cm, semeados a uma velocidade operacional de 4,5km/h.

A resistência à penetração do solo é considerada ideal até os 20 cm de profundidade, aceitável dos 20 aos 30 cm, restritiva dos 30 aos 60 e aceitável a partir dos 60, o que permitiu um crescimento radicular sem grande impedimento físico.

A adubação foi realizada com 7 t/ha de cama de aviário, 150 kg/ha de cloreto de potássio (K2O) e 5kg/ha de boro em pré-semeadura e  Top Phos no momento da semeadura (33,6 kg/ha de N e 115,2 kg/ha de P2O5).


Leia também: 108,74 sc/ha: conheça o segredo dos campeões de máxima produtividade de soja do CESB


Além disso, no tratamento de sementes foram utilizados P + Co + Mo, MasterFix e MasterFix Gramineas, em V3 o produtor utilizou CoMo Platinum e Starter Mn, em V6 CoMo Platinum, entre V9 e V10 Hold, Aminoacidos Livres, Stimulate e Starter Mn, em R2 Mo, Ca + B e Veritas, em R5 Ca + B, e N + K + Mg + S e em R5.5 N + K + Mg + S e Mover, complementando o manejo nutricional e com biofertilizantes.

O tratamento fitossanitário da área campeã, foi determinado conforme mostra a Figura 2.

Figura 2 – Tratamento Fitossanitário – Campeão CESB 18/19 – Região Sul.

Para os campeões, produtor Rafael Tolotti e consultor Maiquel Anese, o que fez a diferença na produtividade foi fazer o básico bem feito, além do clima que favoreceu, um bom perfil do solo, presença e manutenção da matéria orgânica, sementes de qualidade e a sanidade das plantas.

Figura 2 – Custo de produção e análise econômica – Campeão CESB 18/19 – Região Sul.

Acesse o case campeão completo aqui.

Fonte: Informações retiradas do CASE CAMPEÃO 18/19 – SUL – CAT. SEQUEIRO



Elaboração: Andréia Procedi – Equipe Mais Soja.

*As publicações técnicas do CESB, “cases campeões”, tratam-se apenas de constatações técnicas e não devem ser consideradas, sob qualquer hipótese, como recomendações de manejo.

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.