A comercialização da safra de soja 18/19 evoluiu 4,40 p.p., o menor avanço no ano, e chegou a 83,99% da safra já negociada. Tal acréscimo é justificado pela desvalorização do dólar e dos prêmios portuários, apesar da valorização do grão na CME em junho que não foi o suficiente para compensar o movimento.

Cabe salientar que o produtor agora está à espera de melhores oportunidades de negócio, uma vez que já comercializou boa parte da sua produção, reduzindo a necessidade de fazer caixa. Em relação à cotação da saca, o preço médio mensal fechou em R$ 64,13/sc, 1,18% menor que o do mês anterior.

Como na safra 18/19, os menores preços praticados durante o mês distanciaram as pedidas dos produtores dos compradores. Assim, a comercialização da safra 19/20 avançou 3,68 p.p. e chegou a 23,23% da safra já negociada, com preço médio mensal de R$ 65,23/sc, redução de 0,52% em relação ao mês anterior.

Confira os principais destaques do boletim:

• O preço da soja disponível em MT fechou a semana com preço médio de R$ 63,83/sc e recuo de 1,47%, devido à desvalorização das cotações na bolsa de Chicago e do dólar.

• O contrato corrente na CME-Group encerrou cotado a US$ 8,81/bu e queda de 2,00%. Na ausência de novidades, pesaram os fundamentos baixistas.



• O dólar finalizou a R$ 3,83/US$, apresentando ligeiro decréscimo ante a semana anterior, reflexo da tramitação da reforma da previdência na Comissão Especial da Câmara.

• A relação soja/farelo e óleo fechou com queda de 5,45%, devido ao impacto do recuo nos preços do farelo.

QUEDA NAS EXPORTAÇÕES:

Os dados de exportação de soja referentes a jun/19 foram divulgados pelo Mdic. De acordo com as informações, Mato Grosso representou 6,64% do total exportado pelo Brasil no mês em questão, com cerca de 2,06 milhões de toneladas.

Em relação a maio o estado apresentou um recuo de 33,11% na quantidade exportada e um decréscimo de 26,96% em relação a jun/18. Porém, no acumulado até jun/19 a soma chega a 14,48 milhões de toneladas, um aumento de 2,36% se comparado com o acumulado do mesmo período do ano anterior.

Esta elevação em 2019 deve-se a maior participação de países como Turquia, Holanda, Irã, Rússia e México. A China — principal destino da soja do estado — apesar de ter sido impactada pela peste suína, neste 1º semestre praticamente manteve estável o volume de soja comprado de Mato Grosso, com recuo de 0,53% em relação a 2018. Caso mantenham este ritmo, as exportações estaduais podem superar o volume recorde de 2018.

Fonte: IMEA

Texto originalmente publicado em:
Imea
Autor: IMEA

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.