O percevejo-marrom, Euschistus heros, é considerado umas das mais importantes pragas na cultura da soja (Panizzi, 2015). Essa espécie encontra-se amplamente disseminada na América do Sul, sendo capaz de sobreviver em diferentes ambientes, tais como  a Floresta Amazônica, Cerrado, Caatinga e Mata Atlântica (Panizzi e Slansky, 1986). 

Após a década de 1970, populações de E. heros aumentaram em abundância e agora são encontradas em todas as principais regiões produtoras de soja do Brasil (Panizzi, 2015). Segundo Soares et al. (2018), relações genealógicas entre 111 haplótipos mitocondriais de E. heros indicam a existência de duas linhagens da espécie no continente, separadas por 52 mutações (substituições nucleotídicas) e uma distância genética estimada de D = 0,042. 

Os haplótipos da chamada linhagem sul (S) ocorrem principalmente na metade sul do continente. Entretanto, pequenos percentuais de indivíduos da linhagem S também foram encontrados no centro e nordeste do Brasil, em uma ampla faixa. Já a linhagem norte (N) ocorre principalmente no norte e nordeste da América do Sul, não sendo detectada no Paraguai ou no sul do Brasil (Soares et al., 2018).

Figura 1. Distância genética (a) e distribuição geográfica (b) das linhagens norte (verde) e sul (azul) de Euschistus heros na América do Sul.

Fonte: Soares et al., 2018. Confira a imagem original aqui.

Segundo análises moleculares na região ITS1 do genoma nuclear de E. heros, o haplótipo HA foi o mais frequente (70,16%), estando amplamente distribuído em todas as regiões amostradas no continente. O haplótipo HC foi encontrado no sul e centro da América do Sul, englobando indivíduos previamente identificados como linhagem mitocondrial S (Figura 2).

Já o haplótipo HD (21,77%) foi encontrado apenas no norte da América do Sul (indivíduos previamente identificados como linhagens mitocondriais N ou S). Os haplótipos únicos HB, HE e HF foram encontrados nas populações RS1, MT1 e MT2, respectivamente. Portanto, o compartilhamento de haplótipos nucleares por espécimes de ambas as linhagens mitocondriais (norte e sul) indica a possibilidade de cruzamento entre essas linhagens (Soares et al., 2018).

Figura 2. Local de coleta, haplótipo mitocondrial e nuclear das populações de E. heros amostradas na América do Sul.

Fonte: Soares et al., 2018. Confira a imagem original aqui.

Portanto, os resultados desse estudo revelaram a presença de duas linhagens profundamente divergentes de E. heros na América do Sul. O número de etapas de mutação que separam as duas linhagens de E. heros é excepcionalmente alto, levantando a questão da possível presença de espécies crípticas.

As duas linhagens de E. heros são geograficamente separadas uma da outra, com um clado agrupando as populações mais ao norte, e um segundo clado agrupando as populações encontradas no sul. Ambas as linhagens mitocondriais se expandiram para formar uma zona de contato secundário nas regiões central e sudoeste da América do Sul. 

A união das duas linhagens de percevejo-marrom, após um longo tempo de separação, pode ter consequências imprevistas para uma das maiores regiões produtoras de soja no mundo. As duas linhagens estão novamente unidas no Brasil central, onde uma revolução agrícola começou na década de 1970 e continua até hoje, expandindo os campos da soja para o norte. É possível que as linhagens norte e sul de E. heros já estejam trocando adaptações genéticas entre si, o que pode resultar, por exemplo, num aumento da resistência dessa praga a inseticidas de diferentes grupos químicos.

Revisão: Henrique Pozebon, Mestrando PPGAgro  e Prof. Jonas Arnemann, PhD. e Coordenador do Grupo de Manejo e Genética de Pragas – UFSM


REFERÊNCIAS:

LAURANCE, William F.; SAYER, Jeffrey; CASSMAN, Kenneth G. Agricultural expansion and its impacts on tropical nature. Trends in ecology & evolution, v. 29, n. 2, p. 107-116, 2014.

PANIZZI, Antônio R. Growing problems with stink bugs (Hemiptera: Heteroptera: Pentatomidae): species invasive to the US and potential Neotropical invaders. American Entomologist, v. 61, n. 4, p. 223-233, 2015.

PANIZZI, A. R.; SLANSKY JR, F. Review of phytophagous pentatomids (Hemiptera: Pentatomidae) associated with soybean in the Americas. Florida entomologist, p. 184-214, 1985.

ROLSTON, L. H. Revision of the genus Euschistus in Middle America (Hemiptera, Pentatomidae, Pentatomini). Revisión del género Euschistus en Centroamérica (Hemiptera, Pentatomidae, Pentatomini). Entomologica Americana, v. 48, p. 1-102, 1974.

SMANIOTTO, Lisonéia F.; PANIZZI, Antônio R. Interactions of selected species of stink bugs (Hemiptera: Heteroptera: Pentatomidae) from leguminous crops with plants in the Neotropics. Florida Entomologist, p. 7-17, 2015.

SOARES, Patricia L. et al. The reunion of two lineages of the Neotropical brown stink bug on soybean lands in the heart of Brazil. Scientific reports, v. 8, n. 1, p. 1-12, 2018.

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.