Avançou a colheita da soja no Rio Grande do Sul, totalizando 78% da área; 18% do
grão está maduro e 4% da lavoura está na fase de enchimento de grãos.

No Alto Uruguai, as boas condições climáticas da semana favoreceram a colheita, que chega a 95% das lavouras, restando áreas de resteva e de variedades tardias. A colheita no Planalto Médio atingiu 90% das lavouras e na região Sul, 55%.

Nas regiões do Alto Jacuí, Celeiro e Noroeste Colonial, a soja está em fase final da colheita, restando lavouras tardias, em fase de maturação, e que representam pequeno volume. O produto colhido na última semana apresentou umidade abaixo da ideal e elevada porcentagem de grãos quebrados.

Como consequência, aumentaram as perdas ocasionadas pelo impacto das vagens na plataforma de colheita. A produtividade média está dentro da esperada inicialmente, consolidando uma boa safra na região. Produtores têm demonstrado preocupação pela queda do preço do produto, comparado com o custo elevado no momento da formação da lavoura.



Nas regiões da Fronteira Noroeste e Missões, 84% estão colhidos. Na Fronteira Oeste, a colheita está praticamente concluída, favorecida pelos dias ensolarados. A produção varia de acordo com a variedade implantada, a época de semeadura, os tratamentos fitossanitários bem realizados, o tipo e a estrutura do solo, além de outros fatores. A produtividade média é de cerca de 3.600 quilos por hectare, maior do que a expectativa inicial.

Nas Missões, região de áreas maiores com a cultura, a colheita é mais lenta, e o percentual colhido da área é menor. Nas áreas colhidas no cedo, já estão sendo realizadas a semeadura de plantas de cobertura e recuperadoras, como o nabo, com bom desenvolvimento inicial, e a utilização de calcário para correção de pH.

Em São Luiz Gonzaga, algumas empresas já oferecem sementes resistentes a fungos de solo, a fim de tornar as plantas mais resistentes ao tombamento. Nas lavouras de soja safrinha em enchimento de grãos, os produtores estão atentos às pragas e doenças de final de ciclo.

Na região do Médio Alto Uruguai e Rio da Várzea, a soja safrinha começa a sentir a falta de umidade do solo, condição vital para a fase de enchimento de grão, na qual se encontra a maioria dos cultivos.

Na região Serrana, a colheita está praticamente encerrada nos municípios de menor altitude; porém, segue em ritmo acelerado nos Campos de Cima da Serra, onde cerca de 40% da área ainda precisa ser colhida.



Mercado (saca de 60 quilos)

Segundo levantamento semanal de preços da Emater/RS-Ascar, o preço do grão é de R$ 68,73/sc., 20 centavos menor que o preço da semana anterior (-1,72%). O preço da soja disponível em Cruz Alta também reduziu, sendo comercializada a R$ 72,80/sc.

Fonte: Emater/RS

Texto originalmente publicado em:
Informativo Conjuntural 1.550
Autor: Emater/RS

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.