A busca por altas produtividades de soja exige um enorme esforço do ponto de vista de manejo, tecnologia e recursos. Entretanto além de elevada tecnologia e investimentos direcionados a soja, é preciso enxergar o cultivo como um sistema de produção, identificando suas limitações básicas e primárias, sendo uma delas a compactação do solo.

Segundo Beulter & Centurion (2004), solos compactados tendem a apresentar redução do volume de poros, especialmente macroporos, prejudicando a infiltração de água no solo e alterando sua estrutura. Além disso, os autores destacam que solos compactados tem a quantidade de oxigênio alterada, prejudicando o desenvolvimento na rizosfera. A compactação prejudica também o crescimento e desenvolvimento de raízes das plantas, fazendo com que haja dificuldade em absorção de água e nutrientes do solo, podendo prejudicar o desenvolvimento vegetal.

Quer melhorar seus conhecimentos?
Oportunidade para interagir com os melhores do Brasil.

A redução do volume de raízes da soja em função da compactação do solo foi observada por Cardoso et al. (2006), onde os autores avaliaram o sistema radicular da soja em função da compactação do solo no sistema plantio direto. Os resultados obtidos por Cardoso et al. (2006) demonstram que a medida em que a resistência a penetração aumenta, ocorre a redução do volume do sistema radicular da planta. A resistência do solo á penetração (RP) é uma das principais formas de mensurar a compactação do solo, sendo que em tese, quanto maior do valor de RP, maior compactação há no solo.

Figura 1. Correlação entre o volume de raízes de soja (cm.cm-3) e a resistência do solo à penetração (MPa), na profundidade de 5–15 cm no sistema de plantio direto compactado para as cultivares Embrapa-4 ( ∆ ) e BR-16 ( ● ).

Adaptado: Cardoso et al. (2006)

Cabe destacar que assim como a redução do sistema radicular das plantas em decorrência da compactação do solo dificulta a absorção de nutrientes do solo, também pode aumentar a sensibilidade das plantas a períodos de estresse hídrico, uma vez que o baixo volume radicular resulta em baixo volume de solo explorado e com isso menor capacidade da planta em absorver água.



Conforme observado por Beulter & Centurion (2004), a compactação influi diretamente na produtividade da soja, sendo que no trabalho realizado por esses autores, valores de resistência do solo à penetração superiores a 0,85 MPa já implicam em redução da produtividade da soja.

Figura 2. Produtividade da soja em função da compactação do solo (resistência do solo à penetração).

Fonte: Beulter & Centurion (2004)

Resultando semelhantes expressando a interferência da compactação do solo na produtividade da soja foram obtidos por Dalchiavon et al. (2011), onde os autores avaliaram a produtividade da soja e a resistência mecânica à penetração do solo sob sistema plantio direto no Cerrado Brasileiro. Os resultados entrados pelos autores apontam para uma redução da produtividade da soja a medida em que a resistência do solo à penetração aumenta, assim como os resultados obtidos por Beulter & Centurion (2004).

Figura 3. Produtividade de grão obtida (PGO) da soja, em função da Resistência do Solo à Penetração, à profundidade de 0,10-0,20 m.

Adaptado: Dalchiavon et al. (2011)

Com base nos resultados obtidos pelos autores anteriormente citados, é possível observar tamanha influência que a compactação do solo exerce sobre a produtividade da soja, sendo ela, reduzida a medida em que a compactação é aumenta. Sendo assim, deve-se buscar estratégias que possibilitem a melhor conservação da estrutura do solo e reduzam sua compactação, sendo algumas delas, o tráfego controlado de máquinas, o uso de plantas de cobertura com vasto sistema radicular, a rotação de culturas, não destinar áreas de lavoura para o pastejo animal, ter cuidado com a umidade do solo para a entrada de máquinas na lavoura, assim como a escarificação ou subsolagem em casos mais severos.


Veja também: Compactação do solo e o uso de plantas de cobertura


Referências:

BEULTER, A. N.; CENTURION, J. F. COMPACTAÇÃO DO SOLO NO DESENVOLVIMENTO RADICULAR E NA PRODUTIVIDADE DA SOJA. Pesq. agropec. bras., Brasília, v.39, n.6, p.581-588, jun. 2004. Disponível em: < https://www.scielo.br/pdf/pab/v39n6/v39n6a10.pdf >, acesso em: 04/03/2021.

CARDOSO, E. G. et al. SISTEMA RADICULAR DA SOJA EM FUNÇÃO DA COMPACTAÇÃO DO SOLO NO SISTEMA DE PLANTIO DIRETO. Pesq. agropec. bras., Brasília, v.41, n.3, p.493-501, mar. 2006. Disponível em: < https://www.scielo.br/pdf/pab/v41n3/29122.pdf >, acesso em: 04/03/2021.

DALCHIAVON, F. C. et al. PRODUTIVIDADE DA SOJA E RESISTÊNCIA MECÂNICA À PENETRAÇÃO DO SOLO SOB SISTEMA PLANTIO DIRETO NO CERRADO BRASILEIRO. Pesq. Agropec. Trop., Goiânia, v. 41, n. 1, p. 8-19, jan./mar. 2011. Disponível em: < file:///C:/Users/Cliente/Documents/Documentos/+%20SOJA/2021/1.%20TEXTOS/3.%20MAR/3.%20TEXTO%20-/8351-Texto%20do%20artigo-51328-2-10-20110401.pdf >, acesso em: 04/03/2021.

Acompanhe nosso site, siga nossas mídias sociais (SiteFacebookInstagramLinkedinCanal no YouTube

 

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.