O problema das resistências de plantas daninhas deve ser abordado a partir de uma visão sistêmica da produção, neste contexto o ABC do REM propõe 10 práticas a serem seguidas para esse fim.

Um deles é o  cuidado com a entrada de sementes de ervas daninhas no lote.

Como primeiro passo, é essencial ao escolher as sementes para o plantio usando sementes de origem conhecida e que não apresentem impurezas que possam conter sementes de ervas daninhas.

Além disso, na introdução através da semeadura, com sementes de espécies que apresentam biótipos com resistência a herbicidas (por exemplo, azevém resistente, nabo, caruru, capim amargoso), devemos prestar atenção especial a possíveis escapes para sua rápida eliminação com outro herbicida.

Continuando com a prevenção, devemos colocar muita ênfase no momento da colheita, já que este é um momento chave.



Sob este conceito, é necessário dar importância aos seguintes pontos:

  • Antes da colheita, monitore e registre as manchas de ervas daninhas presentes em cada lote, para planejar um manejo específico.
  • Se houver poucas manchas de ervas daninhas resistentes ou tolerantes, cujo órgão reprodutivo possa ser cortado e removido do lote antes da colheita (por exemplo, sorgo de Alepo e caruru), faça-o.
  • Limpe a colheitadeira ao entrar no lote, mesmo que já tenha ervas daninhas problemáticas no lote.
  • Colha por ultimo os lotes sujos.
  • Considerar a dessecação pré colheita como uma alternativa para minimizar impactos na colheita ou mesmo facilitar o trabalho da colheitadeira.

No que diz respeito à desinfecção da própria maquina, deve ser realizada fora do lote de produção e num local onde as sementes não possam germinar e possam ser recolhidas e destruídas. De acordo com as recomendações do INTA Precop, os passos para uma limpeza adequada ao sair de um lote e entrar em outro, são os seguintes:

  • Após a colheita de um lote de produção, a limpeza geral da máquina deve ser realizada com um soprador, tentando garantir que o fluxo de ar atinja todos os órgãos da máquina.
  • Em máquinas convencionais, preste muita atenção ao limpar o sacapalha, já que é uma área onde muitas sementes de ervas daninhas ficam aderidas.
  • Com a máquina parada, limpe completamente a cabeça e toda a área da calha.
  • Em seguida, a colhedora deve ser colocada em operação, com a cabeça da embreagem, nas rotações de velocidade, para que as forças de vibração que ocorrem ajudem a expelir o material que foi removido durante o processo de limpeza com fluxo de ar (soprador) . Nesta operação, o acionamento do ventilador ou da turbina da colheitadeira deve ser operado na capacidade máxima.
  • Uma vez que este processo esteja terminado, todos os órgãos internos da colheitadeira devem fluir com muito material de folha, o que ajudará a varrer possíveis sementes de ervas daninhas que possam ter permanecido.
  • Preste muita atenção à limpeza do carrinho que acompanha a colheitadeira, que também pode estar infectada com sementes de ervas daninhas.

O documento do protocolo completo projetado pelo INTA pode ser baixado clicando aqui

Finalmente, antecipar o problema é a maneira mais conveniente, porque a prevenção é a estratégia mais econômica, no caso de ervas daninhas resistentes.

Fonte: Adaptado de Aapresid REM

Tradução: Equipe Mais Soja

Texto originalmente publicado em:
Aapresid
Autor: Aapresid

NO COMMENTS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.