O objetivo do presente estudo foi avaliar, por meio da análise química e física de solo, quatro áreas distintas de cultivo, identificando possíveis atributos restritivos, elencando possibilidades de manejo sustentáveis.

Autores: Valéria Escaio Bubans1; Adriano Udich Bester2; Leonir Terezinha Uhde3; Cleusa Adriane Menegassi Bianchi Krüguer4

Introdução

A agricultura é essencial para a produção de alimentos, e com o aumento da população mundial, combinada com a crescente demanda por alimentos, surge uma grande questão: saber como produzir mais alimentos sem afetar drasticamente os diferentes ecossistemas terrestres (GUALBERTO et al., 2003), busca por práticas produtivas mais sustentáveis torna-se imprescindível para a produção agrícola. Entre estas práticas está o manejo sustentável do solo (SANS, 2000; TÓTOLA; CHAER, 2002), o qual diz respeito à manutenção e à melhoria das propriedades físicas, químicas e biológicas dos solos (ARGENTON et al., 2005). Para tal finalidade, é preciso a execução de processos de cultivos com culturas que possuem potencial de incrementar matéria orgânica aos solos.

Os solos, quando submetidos a determinados sistemas de cultivo, tendem a um novo estado de equilíbrio (SILVA et al., 2005), refletindo em diferentes manifestações de seus atributos físicos, químicos e biológicos (DORAN; PARKIN, 1994). A diminuição da qualidade química do solo irá interferir nos teores de fósforo e nitrogênio, na matéria orgânica, na capacidade de troca de cátions e no pH do solo; já a perda da qualidade biológica resulta em efeitos negativos na atividade de enzimas no solo, na biomassa microbiana e nas taxas de mineralização do nitrogênio (TÓTOLA; CHAER, 2002), com implicações diretas sobre o desenvolvimento das plantas.

Quanto à perda da qualidade física, esta afeta o espaço poroso do solo, podendo prejudicar o fornecimento de água e oxigênio, limitando o desenvolvimento das plantas (TORMENA et al., 1998) e da atividade de microrganismos no solo (LEONARDO, 2003), além de afetar diretamente a estrutura do solo, a formação de agregados pouco estáveis, a redução da porosidade, a elevada densidade (NUNES, 2003; CARVALHO et al., 2004), a maior resistência de penetração do sistema radicular das plantas (MARTINS et al., 2002; CARVALHO et al., 2004) e a reduzida capacidade de infiltração e armazenagem de água no solo (TORMENA et al., 1998). A avaliação da qualidade do solo é fundamental para a determinação da sustentabilidade dos sistemas de manejo utilizados (SANS, 2000; TÓTOLA; CHAER, 2002). O objetivo do presente estudo foi avaliar, por meio da análise química e física de solo, quatro áreas distintas de cultivo, identificando possíveis atributos restritivos, elencando possibilidades de manejo sustentáveis.

Material e Métodos

O presente estudo foi realizado na área experimental, pertencente ao Instituto Regional de Desenvolvimento Rural (IRDeR), no município de Augusto Pestana (RS), localizado a 28° 26’ 30’’ S e 54° 00’ 58’’ W, altitude de 280 m. O solo da área experimental é classificado como Latossolo Vermelho distroférrico típico (EMBRAPA, 2013). De acordo com a classificação climática de Köeppen, o clima da região é do tipo CFA (subtropical úmido). Tomou-se como base de roteiro para a coleta das amostras de solo para análise química e física as áreas de mata nativa, sucessão cultural aveia branca/girassol e milho silagem (sucessão 6), sucessão cultural aveia branca/milho grão e soja safrinha (sucessão 7) e pastagem de tifton 85 (perene).

As sucessões 6 e 7 foram constituídas de parcelas (10 x 15 m). As amostragens químicas e físicas foram realizadas no dia 21 de agosto de 2017 em aula prática da disciplina de Manejo e Conservação do Solo e da Água, do curso de Agronomia da Unijuí. Para a análise química do solo foram coletadas três amostras aleatórias em cada área, na profundidade de 0 a 10 cm e de 10 a 20 cm (para realizar a comparação entre os atributos químicos do solo entre duas camadas de profundidades, verificar problemas de acidez potencial em subsuperfície e disponibilidade do fósforo inferior ao limite crítico).

Após a coleta das amostras, as mesmas foram identificadas e enviadas ao Laboratório de Análise de Solos (LAS) da Unijuí, onde procedeu-se as análises físico-químicas das respectivas amostras utilizando-se das metodologias indicadas para todos os laboratórios integrantes da Rede Oficial de Laboratórios de Análise de Solo e Tecido vegetal para os estados do Rio Grande do Sul (Rolas) (TEDESCO et al., 1995), para a determinação dos atributos químicos do solo: pH do solo em água; Índice SMP; matéria orgânica; fósforo e potássio “disponível” (método Mehlich-1); cálcio, magnésio e alumínio trocáveis e teor de argila. Para o estudo da densidade do solo foi adotado o método do anel volumétrico (EMBRAPA, 1997), sendo usados anéis com volume conhecido (176,7 cm3).

As amostras foram coletadas em quatro profundidades: 0,0-0,05; 0,05-0,10; 0,10-0,15 e 0,15-0,20. Os resultados foram utilizados para os cálculos de umidade gravimétrica, umidade volumétrica, densidade do solo, porosidade total e espaço aéreo. No LAS realizou-se a pesagem de Massa de Solo Úmido (MSU) das amostras e, após, foram encaminhadas para a estufa de circulação forçada, com temperatura de 105ºC, por um período mínimo de 48 horas até atingir peso constante. Depois da secagem foi feita uma nova pesagem para obter a Massa de Solo Seco (MSS). Para a densidade das partículas, foi adotado o método do balão volumétrico (EMBRAPA, 1997), e utilizadas as mesmas amostras coletadas para o estudo da densidade do solo. Para verificação da existência de limitações ao crescimento radicular, relacionou-se os resultados de densidade do solo com os resultados da análise granulométrica, mais especificamente o teor de argila, utilizando-se a classificação proposta por Reichert et al. (2007).

Resultados e Discussão

Comparando os resultados físico-químicos entre os distintos sistemas de cultivos em duas profundidades (Tabela 1), é possível observar diminuição da disponibilidade dos nutrientes potássio, fósforo, cálcio e magnésio ao longo do perfil de solo.

Tabela 1. Resultados dos atributos físico-químicos dos solos da mata nativa e distintos agroecossistemas em duas profundidades.

Assim, a matéria orgânica tende a ser menor nas camadas mais profundas do solo em razão do maior acúmulo de resíduos orgânicos em superfície, resultado do sistema de manejo utilizado (plantio direto consolidado). Observa-se uma redução no teor de argila da camada de 0-10 cm em relação à camada de 10 a 20 cm nos quatro agroecossistemas. Nos sistemas de cultivo Tifton 85, sucessão cultural aveia branca/girassol e milho silagem (6), sucessão cultural aveia branca/milho grão e soja safrinha (7), não há necessidade de aplicação de calcário. Na área de pastagem de Tifton 85, há necessidade de ajustar a adubação fosfatada considerando que o teor de fósforo disponível se encontra médio.

Tabela 2. Resultados de Umidade Gravimétrica (UG), Densidade do Solo (DS), Umidade Volumétrica (UV), Porosidade Total (PT), Espaço Aéreo (EA) da mata nativa e distintos agroecossistemas.

Os sistemas de cultivo e de manejo de solo podem alterar as propriedades físicas e químicas do solo. Identificando áreas com restrições ao crescimento radicular e avaliando o estado de compactação, de acordo com Reichert et al. (2007), para solos que apresentam textura média (20 a <55% de argila), caso dos agroecossistemas em estudo, a densidade do solo foi maior do que 1,55 Mg m³ e o espaço aéreo (%) menor que 10, revelando condições de restrição. Observa-se que a densidade do solo não ultrapassa 1,55 g cm-³, significando que não há indicações de restrição para o desenvolvimento das plantas nos três sistemas de cultivo (Tabela 3).

O espaço aéreo é a quantidade de macro e microporos no solo. Se o solo apresentar muitos microporos ele será mais adensado e se torna restritivo no limite de 10%, contudo, ao interpretar os resultados do EA na Tabela 2, percebe-se que também não há restrição; o que significa afirmar que os manejos que estão sendo utilizados nessas áreas encontram-se adequados. De acordo com a Tabela 3, a classe textural predominante no estudo é a argilosa, que contém mais de 35% de argila, formada por grãos menores que os da areia. Solos com maiores teores de argila, em virtude das suas propriedades químicas e físicas, são melhores para fins agrícolas, uma vez que a distribuição do tamanho das partículas do solo interfere diretamente no grau de compactação e na disponibilidade de água (KLEIN, 2008).

Tabela 3. Análise granulométrica e classe textural.

Muitos são os fenômenos que podem degradar o solo. Sendo assim, práticas de manejo e conservação do solo e da água, tanto na agricultura quanto na pecuária, se fazem cada vez mais necessárias para que o uso da terra seja mais sustentável. O planejamento de utilização e manejo do solo deve ser baseado primordialmente em seu potencial produtivo. Para manejar o solo de forma adequada, é preciso levar em consideração suas propriedades físicas, químicas e biológicas. Um bom manejo do solo é aquele que proporciona boa produtividade ao mesmo tempo em que possibilita a manutenção de sua fertilidade, garantindo a produção agrícola no futuro.

Conclusões

Não há condições restritivas ao crescimento e desenvolvimento das culturas, considerando os resultados de densidade do solo, indicadora de compactação.

Referências

Argenton J, Albuquerque JA, Bayer C, Wildner LP. Comportamento de atributos relacionados com a forma da estrutura de Latossolo Vermelho sob sistemas de preparo e plantas de cobertura. Revista Brasileira Ciência do Solo, 29: 425-435, 2005.

Carvalho R, Goedert, WJ, Armando, MS. Atributos físicos da qualidade de um solo sob sistema agroflorestal. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 39:1153-1155, 2004.

Doran JW, Parkin TB. Defining and assessing soil quality. In: Doran JW, Coleman DC, Bezdicek DF, Stewart BA. Defining soil quality for a sustainable environment. Madison: Soil Science Society of America, 1994. p. 3-21.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Manual de métodos de análise de solo. 2. ed. Rio de Janeiro, 1997. 212p.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Solos. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 3.ed. Brasília, DF, 2013.

Gualberto V, Mello CR, Nóbrega JCA. O uso do solo no contexto agroecológico: uma pausa para reflexão. Revista Informe Agropecuário, v. 24, n. 220, p. 18-28, 2003.

Klein VA. Física do solo. Passo Fundo: EDIUPF, 2008. 212p.

Leonardo HCL. Indicadores de qualidade de solo e água para a avaliação do uso sustentável da microbacias hidrográficas do Rio Passo Cue, Região Oeste do Estado do Paraná. Universidade de São Paulo, 2003. [Dissertação], Piracicaba: USP, 2003, 121p.

Martins SG, Silva MLN, Curi N, Ferreira MM. Avaliação de atributos em um Latossolo Vermelho sob diferentes povoamentos florestais. Cerne, 8:32-21, 2002.

Nunes LAPL. Qualidade de um solo cultivado com café e sob mata secundária no município de ViçosaMG [Tese]. Universidade Federal de Viçosa, 2003.

Reichert JM, Suzuki LEAS, Reinert DJ. Compactação do solo em sistemas agropecuários e florestais: identificação, efeitos, limites críticos e mitigação. In: Ceretta CA, Silva LS, Reichert JM. eds. Tópicos em ciência do solo. Viçosa, MG, Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2007. v.5. p. 49-134.

Sans.LMA. Avaliação da qualidade do solo. In: Oliveira TS, Assis RN, Romero RE, Silva JEC. (eds). Agricultura, sustentabilidade e o semiárido. Fortaleza, UFC, SBCS, 2000. p. 170-213.

Silva RR, Silva MLN, Ferreira MM. Atributos físicos indicadores da qualidade do solo sob sistemas de manejo na bacia do alto do Rio Grande-MG. Revista Ciência e Agrotecnologia, vol. 29, Lavras, julho 2005.

Tedesco MJ, Gianello C, Bissani CA, Bohnen H, Volkweiss SJ. Análises de solo, plantas e outros matérias. 2ª ed. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 1995. (Boletim técnico, 5).

Tormena CA, Silva AP, Liberdade PL. Caracterização do intervalo hídrico ótimo em um Latossolo Roxo sob plantio direto. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 22:573-581, 1988.

Tótola MR, Chaer GM. Microrganismos e processos microbiológicos como indicadores da qualidade dos solos. Tópicos em ciência do solo. Viçosa, MG, Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2002. v. 2. p. 195-276.

Informações dos autores

1Aluna do curso de Agronomia, bolsista Pibic/CNPq, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul-Unijuí, Rincão dos Becker – Interior S/N, Ijuí-RS.

2Aluno do curso de Agronomia, bolsista Pibic/CNPq, Unijuí.

3Dra. profa. do Departamento de Estudos Agrários – DEAg/Unijuí, Ijuí-RS.

4Dra. profa. do DEAg/Unijuí, Ijuí-RS.

Disponível em: Anais da XII Reunião Sul-Brasileira de Ciência do Solo. Xanxerê – SC, Brasil.

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.