Desde a safra passada, a Emater/RS-Ascar vem desenvolvendo um programa, com apoio da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), em parceria com diversas instituições e entidades de ensino e pesquisa, para o monitoramento da ocorrência de esporos nas regiões produtores de soja no Rio Grande do Sul como estratégia de manejo da ferrugem asiática, causada pelo fungo Phakopsora pachyrhizi.

O programa visa auxiliar na tomada de decisão do momento inicial da aplicação preventiva de fungicidas; contribuir para a diminuição do uso de fungicidas, de dano ambiental e de custo econômico das lavouras de soja; orientar o estabelecimento do calendário de vazio sanitário da soja no Estado, para reduzir a população do fungo nas semeaduras precoces; acompanhar o comportamento das variedades de soja plantadas no RS e identificar eventuais quebras de resistência. Além de integrar as informações obtidas no monitoramento de esporos com o Sistema de Modelagem Numérica de Tempo e de Clima Regional (Simagro-RS) da Seapdr, para implementação de políticas para o setor agropecuário e também na plataforma nacional do Consórcio Antiferrugem, bem como subsidiar a pesquisa agropecuária sobre o manejo da doença.

O programa é executado por meio da instalação de coletores de esporos em 24 lavouras de soja de todo o Estado, georreferenciadas e caracterizadas como Unidades de Referência (UR) dos programas de Manejo Integrado de Pragas (MIP) e Manejo Integrado de Doenças (MID). Na safra passada também foram instalados em 24 lavouras com o objetivo de realizar um estudo piloto de monitoramento da ocorrência de esporos nas regiões produtoras, as quais também serão base de referência nesta safra. A presença de esporos é monitorada até o final do enchimento do grão e na entressafra, no intuito de avaliar a sobrevivência do fungo na ausência do hospedeiro.

A lâmina de cada coletor será substituída uma vez por semana pelos técnicos da Emater, acondicionadas e encaminhadas para os laboratórios das instituições que fazem parte do programa e no Laboratório de Fitopatologia da Seapdr, para análise e determinação da presença de esporos. E os resultados das análises das lâminas serão disponibilizados pelas instituições, através da alimentação de planilha on-line organizada pela Seapdr e Emater/Ascar-RS.

Dessa forma, todos os dados estarão reunidos num mesmo documento, ficando disponíveis para todas as instituições referente a detecção de esporos do fungo nas lavouras que estão sendo monitoradas, sendo também divulgados por meio de informativos, comunicados, boletins técnicos ou artigos científicos, reuniões técnicas, palestras e eventos científicos.

Autor: Alencar Rugeri – presidente da Emater/RS e superintendente-geral da Ascar

Fonte: Emater/RS-Ascar – Disponível em Informativo Conjuntural – nº 1642

Texto originalmente publicado em:
Emater/RS-Ascar
Autor: Alencar Rugeri – presidente da Emater/RS e superintendente-geral da Ascar - Informativo Conjuntural - nº 1642

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.