InícioDestaqueMovimento é lento no Brasil e Mar Negro traz volatilidade ao mercado...

Movimento é lento no Brasil e Mar Negro traz volatilidade ao mercado global de trigo

O mercado brasileiro de trigo teve mais uma semana de reportes pontuais de negócios no mercado doméstico de trigo. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Elcio Bento, os moinhos reclamam da fraqueza dos preços da farinha; o produtor segue pouco flexível nas pedidas. O foco segue no plantio e no manejo das lavouras.

Conab

O plantio de trigo avançou para 93,6% da área estimada para a temporada 2022/23 nos sete principais estados produtores do Brasil (Goiás, Minas Gerais, Bahia, Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina, São Paulo e Mato Grosso do Sul que representam 99,9% do total), conforme levantamento semanal da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), com dados recolhidos até 15 de julho. Na semana anterior, a semeadura estava em 91,5%. Em igual período do ano passado, o número era de 93,6% também.

Paraná

O Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, informou, em seu relatório semanal, que o plantio da safra 2023 de trigo do estado foi concluído na área estimada de 1,389 milhão de hectares, contra 1,237 milhão de hectares em 2022, alta de 12%.

Rio Grande do Sul

O plantio de trigo atinge 95% da área no Rio Grande do Sul. Segundo a Emater/RS, na semana passada, eram 88%. Em igual momento do ano passado, 90%. A média dos últimos cinco anos para o período é de 95%. A área cultivada na safra 2023 está estimada em 1.505.704 hectares, e a produtividade prevista é de 3.021 kg/ha.

Mar Negro

O destaque da semana foi o Mar Negro. O mercado acreditava ter precificado a saída da Rússia do corredor de grãos, uma vez que Moscou vinha fazendo ameaças há semanas e a expectativa era de uma certa normalidade no fornecimento pela região. O acirramento do conflito, no entanto, trouxe muita volatilidade aos preços, justamente num momento em que começavam a se acomodar.

Faz poucas semanas que o trigo em Chicago voltou a patamares pré-guerra. Os bombardeios russos à infraestruturas portuárias ucranianas e a troca de ameaças entre os dois países deixou os traders temerosos quanto à segurança do comércio de grãos pelo Mar Negro.

O analista de SAFRAS & Mercado, Elcio Bento, disse que, mesmo não trazendo riscos imediatos ao abastecimento global, neste momento de entrada de safra global, a guerra e seus desdobramentos seguem gerando volatilidade às cotações. O contrato setembro/23 tocou, na quinta-feira, a resistência de US$ 7,50 3/4 e cedeu. Nesta sexta, os preços estão em forte queda.

Os fundos investidores buscam um melhor posicionamento uma vez que estavam predominantemente vendidos, acreditando na queda dos preços com a pressão sazonal de oferta no Hemisfério Norte. Os bombardeios deflagraram um movimento de cobertura de posições, mas predomina a especulação. Analistas esperam ao menos três semanas de muita tensão e volatilidade.

Fonte: Agência Safras



 

Equipe Mais Soja
Equipe Mais Soja
A equipe editorial do portal Mais Soja é formada por profissionais do Agronegócio que se dedicam diariamente a buscar as melhores informações e em gerar conteúdo técnico profissional de qualidade.
Artigos relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Populares