BASF está comprometida com a qualidade da fibra e o legado da cotonicultura brasileira  

■        A busca por novas tecnologias é uma das características de quem investe na atividade

São Paulo, 12 de julho de 2019 – Nesta safra de algodão, o Brasil deve registrar produção recorde de mais de 2,7 milhões de toneladas de pluma. Parte deste resultado está ligada ao aumento de 33% da área cultivada no país, em comparação com o ciclo anterior. O investimento em tecnologia também explica o crescimento da produção da fibra. Olhando mais para trás, o esforço e a dedicação de gerações de cotonicultores brasileiros ajudam a contar a história de sucesso do cultivo.

Para valorizar o legado dos agricultores que contribuem com o desenvolvimento da cotonicultura brasileira, a BASF criou a websérie Legados de Fibra. Os vídeos trazem depoimentos de produtores de algodão que são destaque no país. Em comum, eles têm o amor pela lavoura e a superação de desafios para uma agricultura cada vez mais sustentável, além da valorização do uso de tecnologias inovadoras para superar os resultados esperados em campo

Para o diretor de sementes da BASF, Hugo Borsari, é preciso compreender as necessidades do agricultor para que a tecnologia seja eficiente no campo. “Assim como os agricultores brasileiros, nós também acreditamos na longevidade do cultivo de algodão no Brasil. Por isso, investimos cada vez mais na pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias para que o produtor da pluma possa ter maior rentabilidade ano após ano”, explica Borsari.

Legado de família

A história da família Zanella, de origem italiana, é tema de um dos vídeos. Celestino lembra das histórias da irmã que colhia algodão manualmente e sustentava os filhos com a renda do trabalho na roça. Mas ele demorou para pegar gosto pela cultura. Quando plantou algodão pela primeira vez no Paraná, não gostava de lidar com a produção da pluma. Atualmente, Zanella é um dos principais cotonicultores do oeste baiano.

Os agricultores que participam de Legados de Fibra também falam sobre a importância da tecnologia e das variedades de algodão para alcançar maior produtividade e qualidade de produto.

Na família Busato, de Luís Eduardo Magalhães (BA), pai e filho estão atentos às novas biotecnologias. Cézar Augusto, o filho, explica que as novidades são sempre testadas em pequenas áreas de cultivo, para avaliar o impacto nos custos e na rentabilidade da lavoura. Júlio Cézar, o pai, acredita que o investimento realizado hoje é o que faz ganhar mais no futuro.

O agricultor Édio Brunetta, de Primavera do Leste (MT), é um dos que aprovaram o lançamento da variedade FM 985 GLTP, da FiberMax®. “Esta variedade veio para dar mais segurança ao produtor em relação às pragas, oferecendo fibras de qualidade, com uma genética diferenciada”, afirma Brunetta.

A família Shimohira veio do Japão para o Brasil em 1957 e sempre cultivou algodão. Com produção em Goiatuba (GO), Paulo Shimohira comprovou a alta produtividade da variedade FM 985 GLTP.  “Tivemos ensaios que ultrapassaram as 400 arrobas por hectare. É um material com rendimento de pluma superior a outros materiais cultivados no país”, afirma o agricultor que também relata redução significativa no uso de inseticidas para o controle de lagartas.

O registro destas histórias de fibra na websérie produzida pela BASF contribue para a perpetuação do legado destes agricultores.“Nós estamos ao lado destes agricultores, da escolha da semente ao manejo da lavoura para levar soluções que proporcionam aumento de produtividade e rentabilliade da pluma”, afirma Marcus Lawder, gerente de produtoFiberMax®.

Este legado serve de referência para todos os agricultores do país. “Tenha foco e goste do que você faz. Você será bem-sucedido e poderá deixar um legado para os próximos que vierem”, ensina Rafael Pollato que herdou o gosto pelo algodão do avô e do pai, em Primavera do Leste (MT).

Para assistir à websérie Legados de Fibra acesse o Facebook ou o canal do Youtube da BASF Agro.

BASF na Agricultura. Juntos pelo seu Legado.

Sobre a Divisão de Soluções para Agricultura da BASF

Com uma população em rápido crescimento, o mundo está cada vez mais dependente da nossa capacidade de desenvolver e manter uma agricultura sustentável e ambientes saudáveis. Trabalhando com agricultores, profissionais agrícolas, especialistas em gestão de pragas e outros, é nosso papel ajudar a tornar isso possível. É por isso que investimos em uma forte estrutura R&D e em um amplo portfólio, incluindo sementes e melhoramento genético, proteção química e biológica de cultivos, manejo do solo, fitossanidade, controle de pragas e agricultura digital. Com equipes de especialistas em laboratório, campo, escritório e produção, conectamos o pensamento inovador e a ação realista para criar ideias reais que funcionam – para agricultores, sociedade e o planeta. Em 2018, nossa divisão gerou vendas de 6,2 bilhões de euros. Para mais informações, visite www.agriculture.basf.com ou qualquer um dos nossos canais de mídia social.

 

Sobre a BASF

Na BASF criamos química para um futuro sustentável. Nós combinamos o sucesso econômico com proteção ambiental e responsabilidade social. O Grupo BASF conta com aproximadamente 122 mil colaboradores que trabalham para contribuir com o sucesso de nossos clientes em quase todos os setores e países do mundo. Nosso portfólio é organizado em 6 segmentos: Químicos, Materiais, Soluções Industriais, Tecnologias de Superfície, Nutrição e Care e Soluções para Agricultura. A BASF registrou vendas de € 63 bilhões em 2018. As ações da BASF são comercializadas no mercado de ações de Frankfurt (BAS) e como American Depositary Receipts (BASFY) nos Estados Unidos. Para mais informações, acesse: www.basf.com

Fonte: Assessoria de comunicação Basf

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.