O crescente apelo pelo aumento da sustentabilidade de cultivos agrícolas tem impulsionado o uso de produtos biológicos e microrganismos na agricultura. Um dos mais conhecidos na cultura da soja é o Bradyrhizobium, que através de uma relação simbiótica com a soja, é capaz de realizar a fixação biológica de nitrogênio (FBN), fornecendo todo o nitrogênio necessário para boas produtividades de soja (Gitti, 2015).

Conforme destacado por Prando et al. (2019), a inoculação da soja com bactérias fixadoras de nitrogênio do gênero Bradyrhizobium promove incremente médio de produtividade da soja de até 8% em comparação a soja não inoculada. Além do Bradyrhizobium, outros microrganismos a exemplo das bactérias do gênero Azospirillum também exercem efeito benéfico na cultura da soja, contribuindo para o aumento da produtividade de até 16% quando realizada a coinoculação (Bradyrhizobium + Azospirillum).

Outro microrganismo com potencial uso na agricultura e que vem sendo tema de vários estudos é o Trichoderma, um fungo com aptidão para uso no controle biológico de doenças. Fungos do gênero Trichoderma são biorreguladores e antagonistas naturais de vários fitopatógenos, atuam como agentes de controle biológico, diminuindo ou até dispensando a necessidade de uso de fungicidas químicos (Venancio et al., 2019).

O Trichoderma e a produtividade da soja

A aptidão do Trichoderma no controle biológico de doenças da soja é comprovada cientificamente, sendo ele, uma importante ferramenta para o manejo integrado de doenças, mas com relação a produtividade da soja, o Trichoderma contribui para o aumento dela?

Conforme observado por Chagas Junior et al. (2013), em estudo avaliando a resposta produtiva da soja em função da inoculação, quando realizada a inoculação da soja com Trichoderma (Trichoplus JCO, formulado com Trichoderma sp., com concentração mínima de 2 x 1012 L -1 de conídios viáveis), foi observado incremento de produtividade de até 10%.



Embora estatisticamente os autores não tivessem observado diferença significativa entre as inoculações com Bradyrhizobium; Trichoderma; e Bradyrhizobium + Trichoderma, é possível observar considerável incremento de produtividade em relação a testemunha (não inoculada).

Tabela 1. Produtividade de grãos de soja inoculada com Bradyrhizobium e Trichoderma na Fazenda Lago Verde no município de Lagoa da Confusão, TO. Safra 2012.

Fonte: Chagas Junior et al. (2013)

Resultados ainda superiores de incremente de produtividade da soja em função da inoculação com Trichoderma foram observados por Gonçalves et al. (2018), onde os autores obtiveram resultados que demonstram aumento de produtividade superior a 30% na soja inoculada em comparação a soja não inoculada (testemunha).

Cabe destacar que tanto o estudo de Chagas Junior et al. (2013) quanto o de Gonçalves et al. (2018) foram realizados nas condições do cerrado brasileiro. Entretanto, apesar dessa afinidade entre ambos os trabalhos, é notória a contribuição do Trichoderma no aumento da produtividade da soja. Contudo, assim como para as demais biotecnologias, é preciso destacar que para a melhor desempenho do Trichoderma é preciso um ambiente favorável ao desenvolvimento da soja e do fungo, não apresentando limitações que possam implicar em perda produtiva da cultura, logo, o Trichoderma atua de forma complementar às boas práticas de manejo.

Conforme observado por Chagas Junior et al. (2013), o aumento da produtividade da soja pode ser potencializado com a utilização conjunta de microrganismos benéficos, contribuindo não só para a obtenção de maiores produtividades de soja, mas também para manutenção de microrganismos no solo, posicionando o Trichoderma como uma ferramenta auxiliar para o aumento da produtividade e sustentabilidade da soja.

Referências:

CHAGAS JUNIOR, A. F. et al. PRODUTIVIDADE DA SOJA INOCULADA COM Trichoderma CULTIVADA NO CERRADO TOCANTINENSE. XXXIV Congresso Brasileiro de Ciência do Solo, 2013. Disponível em: < https://www.sbcs.org.br/cbcs2013/anais/arquivos/784.pdf >, acesso em: 08/09/2021.

GITTI, D. C. INOCULAÇÃO E COINOCULAÇÃO NA CULTURA DA SOJA. Fundação MS, Tecnologia e Produção: Soja 2014/2015, 2015. Disponível em: < https://www.fundacaoms.org.br/base/www/fundacaoms.org.br/media/attachments/209/209/newarchive-209.pdf >, acesso em: 08/09/2021.

GONÇALVES, A. H. et al. EFICIÊNCIA DE Trichoderma NA MANUTENÇÃO E PRODUTIVIDADE DE PLANTAS DE SOJA EM REGIÕES PRODUTORAS NO CERRADO, TOCANTINS, BRASIL. Revista de Ciências Agrárias, p. 175-181, 2018. Disponível em: < https://revistas.rcaap.pt/rca/article/view/16637/13553 >, acesso em: 08/09/2021.

PRANDO, A. M. et al. COINOCULAÇÃO DA SOJA COM Bradyrhizobium E Azospirillum NA SAFRA 2018/2019 NO PARANÁ. Embrapa, Circular Técnica, n. 156, 2019. Disponível em: < https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/bitstream/doc/1117312/1/Circtec156.pdf >, acesso em: 08/09/2021.

VENANCIO, W. S. et al. USO DO Trichoderma EM CEREAIS. Trichoderma USO NA AGRICULTURA, cap. 18, Embrapa, 2019. Disponível em: < https://www.embrapa.br/pt/busca-de-publicacoes/-/publicacao/1117296/trichoderma-uso-na-agricultura >, acesso em: 08/09/2021.

Acompanhe nosso site, siga nossas mídias sociais (SiteFacebookInstagramLinkedinCanal no YouTube

 

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.