Trichoderma é um dos principais agentes de con­trole biológico utilizados na agricultura por conta dos resultados expressivos no controle de várias doenças.

Os produtos biológicos, quando comparados com os químicos, apresentam vantagens de sua utilização. Uma delas é o equilíbrio que promovem no ambiente, o que possibilita o estabelecimento de insetos e organismos benéficos, os quais atuarão no controle das pragas dos cultivos agrícolas.

Conheça os demais benefícios e as recomendações de uso de Trichoderma, no texto a seguir!

O que é Trichoderma?

Na natureza, existem os organismos patogênicos, que são aqueles causadores de doenças para os cultivos, como por exemplo o fungo Phakopsora pachyrhizi, que causa a ferrugem asiática na soja, ou Sclerotinia sclerotiorum, outro fungo patogênico para esta cultura, causador do mofo-branco.

Além destes patógenos causadores de doenças para as plantas cultivadas, existem naturalmente nos ambientes aqueles organismos que são benéficos, pois controlam outros indivíduos, estes são chamados de agentes de controle biológico.

Alguns agentes de controle biológico, por conta dos benefícios que apresentam com o controle das pragas, são comercializados e podem ser adquiridos para aplicação nas lavouras. Assim, ocorre um controle aplicado daqueles organismos que são causadores de danos para as plantas.

Trichoderma é um destes agentes de controle. Grande aliado no controle de doenças, é também um fungo, assim como muitos dos patógenos de doenças. Mas neste caso, o fungo Trichoderma é nocivo apenas para outros organismos que causam as doenças, não é nocivo para as plantas.

Trichoderma harzianum (Fonte: Ballagro)

Como eles controlam as doenças?

Trichoderma controla os patógenos por meio de parasitismo. Eles penetram nos fungos fitopatogênicos, onde se alimentam dos nutrientes ali contidos. Ainda com este parasitismo, eles produzem enzimas que danificam as paredes celulares daquele hospedeiro, o que faz com que ele não consiga se defender e impede que fungo parasitado continue a se desenvolver e causar danos nas plantas.

Os fungos do gênero Trichoderma apresentam colorações variadas sobre o substrato que colonizam, as diferentes espécies podem ter cor verde, amarela, creme ou marrom. A temperatura de desenvolvimento ótima para a maioria das espécies deste fungo é entre 25°C a 30°C.

Como já comentamos, estes fungos são encontrados naturalmente na natureza, estão presentes nos solos, na rizosfera de plantas cultivadas, assim como no interior do caule de árvores. E nestes ambientes, eles também são caracterizados pelo crescimento rápido e colonização agressiva, onde inibem o crescimento de outros fungos fitopatogênicos pela produção de substâncias tóxicas, que são os chamados metabólitos secundários.

Trichoderma em substrato na natureza. (Fonte: Forestry Images)

A alta capacidade de parasitar outros fungos faz com que a comercialização de biodefensivos com Trichoderma como ferramenta para manejo de doenças, seja maior a cada safra.

Vantagens de utilizar Trichoderma

Além do conhecido controle dos patógenos que causam doenças nas plantas, os fungos do gênero Trichoderma também são responsáveis por promover outros benefícios, alguns deles são:

  • Repelência e controle de nematoides
  • Melhoria da estrutura do solo
  • Produção de fitohormônios que contribuem com o crescimento radicular das plantas
  • Melhoria da assimilação de nutrientes pelas plantas
  • Aumento da resistência da planta diante de estresses abióticos

Os produtos registrados no Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA) como biodefensivos, têm como ingrediente ativo as seguintes espécies: Trichoderma harzianum, Trichoderma asperellum, Trichoderma koningiopsis e Trichoderma stromaticum.

Estes produtos podem ser aplicados por meio de tratamen­to de sementes, há estudos que comprovam os efeitos benéficos desta forma de aplicação na germinação das sementes e plântulas (Mastouri, et al, 2010; Oliveira et al. 2021). Assim como pode ser realizada a aplicação no sulco de plantio ou com barra total, como é a indicação dos fabricantes comerciais destes biodefensivos. Seu uso deve ser feito de forma preventiva, em áreas com histórico de doenças fúngicas e nematoides fitopatogênicos.

Grande parte das pessoas acredita que a utilização de biodefensivos é apenas para cultivos orgânicos, no entanto, o maior mercado dos biopesticidas, no Brasil, é a agricultura convencional. Estes produtos são empregados em diversas culturas, como: soja, algodão, milho, feijão, hortaliças, plantas ornamentais, frutíferas e outras.

Por isso, esta é uma excelente ferramenta para você manejar doenças e incrementar a produtividade!

Cuidados com a busca por redução de custos e produção de forma artesanal

Há uma tendência atual de produção caseira destes biodefensivos. Visando reduzir os custos com a aquisição dos produtos, os produtores começaram a produzir estes fungos “on farm”. Porém, esta tentativa de multiplicar fungos benéficos pode gerar sérios riscos de contaminação com outros organismos que são nocivos.

No gênero Trichoderma, existem mais de 250 espécies descritas, e dentro deste grupo, algumas são consideradas patógenos humanos, como T. longibrachiatum, relacionada a infecções pulmonares e T. fungae­mia, relacionada a infecções bacterianas. Há também dentro deste gênero, espécies que produzem metabólitos secundários potencialmente tóxicos para animais e plantas, como micotoxinas e compostos que agem sobre microrganismos presentes no rúmen de carneiros e ovelhas.

Por estes riscos, é importante que sejam utilizados produtos livres de contaminantes, para que os organismos indesejáveis não se multipliquem no mesmo substrato em que se encontram os fungos benéficos, que são aqueles que se deseja.

Para uma correta produção em grande escala, é necessário seguir uma série de condições mínimas de assepsia e materiais esterilizados, além de uma sequência de protocolos que devem ser realizados durante o processo de produção. O que não ocorre nas fazendas, mesmo naquelas em que se encontram modernos laboratórios, a contaminação do produto final costuma acontecer.

Caso de produção “on farm” de biodefensivos. (Fonte: AENDA)

Os riscos associados a esta prática “on farm” de produção, onde normas e procedimentos de laboratório são ignorados, são muito grandes. Se você busca um controle eficiente no campo, garanta a qualidade, a viabilidade do organismo e o vigor que são necessários para que os resultados positivos na sua lavoura sejam alcançados.

Conclusão

Os produtos biológicos, ou biodefensivos apresentam vantagens, como vimos no artigo de hoje. Mas entre estas vantagens, a introdução de organismos benéficos no ambiente de cultivo também pode ser citada. Com ela, estes agentes de controle biológico se estabelecem no campo e continuarão a promover os benefícios ao longo das safras seguintes.

Dessa forma, outro benefício que o produtor garante é a rentabilidade, assim como uma maior qualidade de sua produção.

Referências:

Mastouri, Fatemeh, Thomas Björkman, and Gary E. Harman. 2010. “Seed Treatment with Trichoderma harzianum Alleviates Biotic, Abiotic, and Physiological Stresses in Germinating Seeds and Seedlings.” Http://Dx.Doi.Org/10.1094/PHYTO-03-10-0091 100 (11): 1213–21. https://doi.org/10.1094/PHYTO-03-10-0091.

Oliveira, Camilla Martins de, Nayane Oliveira Almeida, Márcio Vinícius de C.Barros Côrtes, Murillo Lobo Júnior, Mara Rúbia da Rocha, and Cirano José Ulhoa. 2021. “Biological Control of Pratylenchus brachyurus with Isolates of Trichoderma Spp. on Soybean.” Biological Control 152 (January): 104425. https://doi.org/10.1016/J.BIOCONTROL.2020.104425.

Sipcam

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.