O Grupo de Trabalho de Melhoramento Genético do Arroz (GTMGA) do INTA – Concepción del Uruguay de Entre Ríos, apresentou uma nova variedade de arroz longo fino. A variedade Memby Porá ou ‘filha bonita’ (na voz do guarani) é um grão que se destaca por sua tolerância ao clima temperado, tem alta adaptabilidade e estabilidade em diferentes áreas de produção e, além disso, combina genética com manejo agrícola para diminuir a brecha entre desempenho real e potencial.

“O INTA continua nos mostrando sua excelência, marcando uma liderança no melhoramento genético, reconhecida fora de nossas fronteiras e em benefício da produção argentina”, disse o Ministro da Agricultura, Pecuária e Pesca da Nação, Luis Basterra.

Projetado por Alberto Livore, pesquisador do INTA Concepción del Uruguay, o Memby Porá INTA CL se destaca por sua capacidade de tolerar baixas temperaturas. De fato, na província de Entre Ríos existe um risco maior de danos à lavoura devido ao aumento das temperaturas.

Para maximizar a produtividade, o INTA recomenda iniciar o plantio de arroz durante o mês de outubro. Assim, a incorporação do atributo genético de tolerância a baixas temperaturas permite posicionar essa variedade nos primeiros plantios.

“Dessa forma, conseguimos ampliar a janela de semeadura, antecipando o início dos trabalhos”, pontuou Mariano Durand – pesquisador do INTA – e explicou: “Esse avanço na semeadura permite ao produtor sincronizar o florescimento da safra com radiação máxima incidente do final de dezembro. Além disso, ajuda a fugir das baixas temperaturas que podem ser registadas durante a floração e doenças de fim de ciclo”. 

Em relação ao rendimento e qualidade industrial, Durand afirmou que “a produtividade da variedade é semelhante à cultivar GURI INTA CL. Porém, a Memby Porá se destaca pela qualidade superior de moinho e pela estabilidade em diferentes ambientes e safras”. E acrescentou: “Outra qualidade importante é o seu bom comportamento quando a colheita é atrasada, o que permite manter elevados valores de desempenho industrial, com classificação de umidade de colheita de 23 a 16%”.

Essa nova variedade, assim como as variedades Puitá INTA CL e Gurí INTA CL, apresenta resistência aos herbicidas das famílias das Imidazolinonas. “Essa tecnologia foi gerada pelo INTA de forma convencional, ou seja, não transgênica, e se espalhou pelo mundo junto com a empresa BASF”, disse Fernando Cattaneo, pesquisador do instituto, que pondera que “tem havido alta resistência aos herbicidas a contribuição mais eficaz para o controle de ervas daninhas em todos os sistemas de produção do mundo”.

Na verdade, existem apenas duas fontes de resistência aos herbicidas IMI, uma desenvolvida nos Estados Unidos e outra obtida na Argentina pelos pesquisadores do INTA Alberto Livore e Alberto Prina.

Em relação às propriedades culinárias, José Colazo – especialista do INTA – explica que esta cultivar foi selecionada por apresentar baixa temperatura de gelatinização do amido e alto teor de amilose no grão. “Essas características são preferidas pelos consumidores ocidentais, porque dão ao arroz uma consistência solta e seca após o cozimento”, disse.

Graças a um acordo de vínculo tecnológico entre o INTA e a Fundação ProArroz, a nova variedade desenhada pelo INTA está disponível para comercialização na Argentina. Da mesma forma, desde a última campanha, a empresa BASF difundiu no Uruguai e no Brasil pela sua utilidade nos primeiros plantios. “É muito importante para nós exportar tecnologia argentina”, disse Colazo, que destacou a importância de “usar semente certificada para aproveitar todas as vantagens da cultivar”.

Fonte: Adaptado de INTA Informa – Argentina

Foto de capa: Divulgação INTA – Memby Porá 

Texto originalmente publicado em:
INTA Informa
Autor: INTA Informa

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.